Resenha: A Garota Que Eu Quero, Markus Zusak

Daniel Pereira

Autor: Markus Zusak            Editora: Intrínseca  Páginas:  176               Ano:  2013

Classificação  ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas 

Sinopse:

O Rube nunca amou nenhuma delas. Nunca se importou com elas. Nem é preciso dizer que Rube e eu não somos muito parecidos em matéria de mulher. Cameron Wolfe é o caçula de três irmãos, e o mais quieto da família. Não é nada parecido com Steve, o irmão mais velho e astro do futebol, nem com Rube, o do meio, cheio de charme e coragem e que a cada semana está com uma garota nova. Cameron daria tudo para se aproximar de uma garota daquelas, para amá-la e tratá-la bem, e gosta especialmente da mais recente namorada de Rube, Octavia, com suas ideias brilhantes e olhos verde-mar. Cameron e Rube sempre foram leais um com o outro, mas isso é colocado à prova quando Cam se apaixona por Octavia. Mas por que alguém como ela se interessaria por um perdedor como ele? Octavia, porém, sabe que Cameron é mais interessante do que pensa. Talvez ele tenha algo a dizer, e talvez suas palavras mudem tudo: as vitórias, os amores, as derrotas, a família Wolfe e até ele mesmo.

“— Existe alguma coisa que você já tenha desejado fazer com perfeição?
— Um coisa que gostaria de ser perfeito? Amar você. Eu gostaria de amar você de forma perfeita.”

Muita gente não sabe, mas este é o terceiro volume de uma série que conta histórias sobre a família Wolfe. Ao manuseá-lo dentre os demais livros de uma prateleira, não é possível saber que se trata de uma trilogia, pois não há indícios na capa do livro que o correspondam. Temos “O Azarão”, lançado em 2012 e “Bom de Briga” em 2013, ambos pela Bertrand Brasil. Particularmente, não achei muito sugestiva as capas dos mesmos, mas adorei a de “A Garota que Eu Quero”. Infelizmente não tive a oportunidade de lê-los. Estou com uma infinidade de livros na minha listinha de espera.

Nosso personagem principal e narrador é o tão sonhador Cameron Wolfe, um garoto muito solitário que fantasiava sobre garotas constantemente. Tinha uma vida tediosa. Apenas sobrevivia, como ele mesmo afirmou. Seu melhor amigo era seu irmão, Rube. Tinham quase a mesma idade. Embora os dois fossem melhores amigos, não tinham muito em comum. Rube tinha vários amigas e também inúmeras garotas com quem sair, já Cameron era o oposto. Gostava de ir a casa de seu outro irmão mais velho, Steve, para conversar. Com ele se sentia mais confortável, porque achava Rube tão genial que vez ou outra se sentia inferior, indigno. Rube sempre namorador, a cada semana aparecia com uma garota. Cameron, explicitamente, não aprovava essa atitude. O que ele mais desejava era apenas uma garota com quem ele pudesse se afogar, apenas uma garota que se interessasse por ele, apenas uma mesmo. Enquanto isso não acontecia, encontrava conforto nas palavras.

Certo dia, Rube apareceu com uma namorada chamada Octavia Ash,. Ela era artista de rua. Tocava gaita. Tinha os olhos esverdeados. Cameron sabia que era só uma questão de tempo para Rube terminar com ela. “Uma semana. Talvez duas”, como ele próprio disse.

“Eu nunca a vira sorrir daquele jeito quando estava com o Rube, e torci para ser um sorriso que ela nunca tivesse dado a nenhum outro ser vivo.”.
Cameron

Houve uma ocasião em que sua irmã mais velha, Sarah, levara um “fora” de um sujeito maltrapilho e seus irmãos, ele e Rube, queriam matá-lo por ter deixado Sarah em um estado muito desgostoso. Agora, Rube é como se estivesse no lugar desse cara e parecia não se incomoda com isso. Talvez nem seu subconsciente o fez se lembrar. Sinal de que estava muito bem.

Como era de se esperar (e também está claramente descrito na sinopse), Cameron se apaixona inteiramente por Octavia. Uma paixão ofuscada pelo então incansável desejo de repouso. Ela o reconfortou enquanto o menino procurava outro lugar para descanso. Ele assim a escolhera para se afogar diante de todo aquele abismo. Os dois encontraram-se um ao outro. Por um lado, foi bom para que Cameron se soltasse mais e por outro nem tão aprazível assim, pois o que sentia por ela era quase que uma obsessão. Logo após o primeiro encontro dos dois, o garoto já havia imaginado mil coisas com ela. Mas tudo indica que Cameron havia saciado a sua “fome”.

“ ‘Eu tenho fome, Steve’.
E, depois disso, fechei a porta.
Não a bati.
Não se atira em um cachorro que já está morto”.
Cameron

A Garota que Eu Quero pode ser lido tranquilamente por aqueles que não acompanharam a história desde o início. Sua escrita é de fácil compreensão e agradável. Embora o sucesso do mesmo autor, A Menina que Roubava Livros, tenha sido excepcional, o mesmo não se aplica para este. A ênfase que deve ser dada e não esquecida é como o personagem principal reage antes e depois do primeiro amor. O assunto abordado é bem rudimentar, mas ainda sim concede a intromissão adentramento nessa história.

Bom, espero que essa resenha tenha aguçado a curiosidade de vocês.

Ressalvo que este é meu ponto de vista, assim, abro um caminho para que vocês sintam-se a vontade e comentem quando e o que quiserem, pois a opinião de todos é valida!

Obrigada pela leitura!

assinatura nova luiza

Anúncios

4 comentários sobre “Resenha: A Garota Que Eu Quero, Markus Zusak

  1. danielavieira89 disse:

    Oi Luiza! Sabe que eu tenho bastante interesse nesse livro?! Mas assim… eu li O azarão, e detestei. Tá, detestei é uma palavra meio forte kkkkk Mas fiquei meio “e daí” com a história. Não mudou minha vida rs
    Realmente, a capa de A garota que eu quero é bem mais convidativa (por isso tbm quero ler). Lendo a resenha, parece que não fica muito diferente de O azarão. Cameron continua sendo bobo rsrsrs Rube, no primeiro livro é beirando o insuportável kkkk Mas enfim….
    Vc já leu Eu sou o mensageiro? Este é muito bom!!
    Beijos

    Curtir

  2. Luiza Xavier disse:

    Oi, Dani!
    A Garota Que Eu Quero não é daqueles livros que você lê e fica pensando depois. Ele é isso e pronto, acabou rsrs Ri quando li que você escreveu que Cameron continua sendo bobo (kkkkkkkkk) Ele é bem afeiçoado à seu próprio mundo. O interessante é a descoberta do primeiro amor e de suas ambiguidades.

    Curtido por 1 pessoa

Conte o que você achou!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s