Resenha: Um Grito na Noite, Mary Higgins Clark

um grito na noite

Autor: Mary Higgins Clark            Editora: Record Páginas: 349                                     Ano: 2010

Classificação 4/5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

Jenny MacPartland, divorciada, duas filhas pequenas, vive num minúsculo apartamento em Nova York, sobrevivendo com seus poucos recursos, trabalhando de maneira esforçada, realizando sempre o seu melhor numa galeria de artes em Manhattan. Tem uma vida simples mas feliz.

Erich Krueger, pintor de fama internacional, solteiro, rico, criador de gado no meio-oeste, em Minnesota, sabe ser encantador. Sempre teve tudo o que desejou.

O caminho dos dois se cruzam quando Erich expõe na galeria em que Jenny trabalha.

Ela conhece sua obra, ele se apaixona por ela.

Sua principal obra exposta, Recordações de Caroline ao mesmo tempo a atrai e lhe dá arrepios por lhe parecer familiar. Caroline era mãe de Erich, e ele era totalmente devotado a ela. Ela tem alguma semelhança com Caroline. Após um breve, porém intenso namoro o conto de fadas se torna real. Eles se casam, se mudam para Minnesota e sua vida de rainha com tudo a sua disposição e a disposição de suas filhas começa. Estaria ela vivendo um sonho?  Mas logo a felicidade que esteve a seu lado nos últimos meses desaparece com a mesma rapidez com que a arrebatou. Incidentes e acidentes alterarão sua rotina, seu casamento, sua família e sua própria vida. Jenny fez a escolha certa ou nem se deu conta de que na verdade nem pode escolher?

“ (…) Case-se comigo, Jenny. Logo.
Uma semana antes , ela nem o conhecia. Sentiu o calor das mãos dele, fitou aqueles olhos interrogativos e percebeu que os dela também refletiam o mesmo amor ardente. E sabia, sem qualquer sombra de dúvida qual seria sua resposta.

 A primeira vista, um amor arrebatador. Um homem rico e talentoso se apaixona por ela, demonstra tanto amor e carinho por suas filhas, suprindo-lhe anos de ausência paterna que elas mal podem esperar para estar com ele novamente. A trata com tanto respeito e reverência que ela sente uma rainha. E garante que tudo o que ele mais quer é vê-la feliz. Ao lado dele, é lógico.

Pra algumas pessoas, principalmente as que já passaram por decepções nas relações amorosas, esse pode ser o início de um sonho, o “finalmente encontrei minha alma gêmea”. Para outros o pensamento que lhes vem a mente é: “- Deve ter alguma coisa errada por trás de tanta perfeição”.

Para Jenny foi a primeira opção. Pelo menos no início. Apesar de sempre ter a sensação de que algo estranho estava ao seu redor, ela optou por viver um sonho. O seu sonho de uma família feliz, sem preocupações financeiras, sem pressa.

Mal podia acreditar no quanto aquele homem era bom pra ela e para suas filhas.

E por isso demorou a perceber os sinais que desde o início ele deu sobre sua personalidade dominadora, controladora.

“Os olhos dele permaneceram fixos no rosto dela.
  • Achei que você ia querer sua camisola , querida – respondeu. – Olhe aqui.
Ele segurava uma camisola azul-clara de cetim com um grande decote em V na frente e nas costas.
  • Erich, eu tenho uma camisola nova. Você comprou essa pra mim?
  • Não – respondeu ele. – Era da Caroline. – Passou a língua nervosamente sobre os lábios. Sorria de forma estranha. (…) – Jenny, use esta camisola hoje; faça isso por mim.
(…) Por alguns minutos, Jenny manteve  o olhar fixo na porta do banheiro, sem saber o que fazer. “Não quero usar a camisola de uma mulher morta”, protestou em silêncio.”

O livro começa com um dos capítulos finais, isso mesmo, o que deixa bem claro quem é bom e quem é mau.

Isso pra muitos pode ser um balde de água fria, uma vez que grande parte do mistério em livros policiais se faz ao redor de suposições sobre em quem você deve ou não confiar. Mas acredite, saber quem é o bandido ou o mocinho nesta obra é o fator menos relevante.

Li algumas críticas que tratam o livro como tendo um início morno até que se desenvolva algum tipo de ação. Mas, uma vez que já li o livro 3 vezes (rsrs…fazer o que?) estou convicta de que o que o torna tão interessante é o terror psicológico vivido pela personagem principal e não a ação que se desenvolve aos poucos. Sim , Jenny demora a perceber o quanto está acuada, o quanto vem sendo abusada, mas ao se dar conta de que não tem nem mesmo o controle sobre suas filhas, começa a agir e aquela sensação estranha que a acompanhava desde a primeira vez que viu as obras de seu atual esposo funciona como um catalisador. É esse medo que traz de volta as rédeas de sua vida.

Você notará desde os primeiros capítulos que é nos mínimos detalhes que a personalidade dominadora de Erich se manifesta. Ele é cuidadoso demais, protetor demais, e o que por alguns momentos pode ser encarado como zelo e carinho nada mais é do que a necessidade de se manter sempre no controle da situação.

Um perfeccionista, no sentido mais doentio. Um opressor que se aproveita de atividades cotidianas para ganhar espaço e cada vez mais anular a personalidade de sua parceira.

Que age friamente manipulando suas próprias enteadas, de 3 e 2 anos, até que estas passem a trata-lo com prioridade, como seu “único papai” e que passem a não mais respeitar sua mãe. O romance intriga por nos fazer pensar em quantas relações doentias se desenvolvem de maneira aparentemente ingênua e casual. Um sonho se tornando um pesadelo.

Mary Higgins Clark é a vovó que eu gostaria de ter (apesar de adorar as minhas!)!

Completará 88 anos em dezembro e continua escrevendo livros de mistério super atuais. Seu primeiro livro Onde estão as crianças? se tornou um best-seller em 1975. Recebeu inúmeros prêmios e honrarias e foi presidente da Associação Mistery Writers of America, chamada de a Rainha do Suspense. Ela trabalha bastante o lado psicológico dos personagens e suas relações, por isso gosto sempre de reler as obras algum tempo depois para absorver alguns detalhes que em uma primeira leitura podem passar despercebidos.

E os livros podem ser lidos fora de ordem, uma vez que as histórias tem começo, meio e fim. Com certeza ela é leitura obrigatória pra quem gosta desse gênero, é lógico que essa a opinião de alguém que é viciada nessa categoria!!!

Boa leitura!

assinatura camila

Anúncios

Um comentário sobre “Resenha: Um Grito na Noite, Mary Higgins Clark

Conte o que você achou!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s