Resenha: Jogos Macabros, R.L Stine

jogos macabros

      Autor: R.L Stine – Editora: Globo Livros              Ano: 2016 – Páginas: 280

Classificação 5/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino l Americanas

Sinopse:

Conhecido mundialmente por seus livros de terror e suspense, com centenas de milhões de exemplares vendidos, R. L. Stine desponta no cenário da ficção juvenil pela genialidade na criação de enredos sinistros. O“Stephen King da literatura juvenil” ficou famoso na década de 1990 com a aplaudida coleção Rua do Medo. Quase duas décadas depois do último volume, Stine atende aos pedidos dos leitores e lança o livro inédito Jogos macabros, publicado no Brasil pela Globo Alt.

Tal como os outros títulos da coleção, a história se passa na velha cidade de Shadyside, nos EUA, conhecida por ser palco de acontecimentos misteriosos e aterrorizantes envolvendo os alunos da escola local. Todos na região conhecem a excêntrica e rica família Fear, e sabem também do passado terrível que os assombra. Apesar desses histórico nada promissor, Brendan Fear parece ser um garoto diferente de sua família. Gentil e simpático, o jovem vive rodeado de colegas e chama a atenção de Rachel Martin, uma garota simples, colega de classe dele.

Quando o aniversário de Brendan está prestes a chegar, ele começa a planejar uma comemoração um tanto diferente na isolada ilha do Medo, onde existe um casarão de veraneio pertencente à família Fear. Rachel é uma das convidadas para passar o final de semana no local sombrio e, contrariando os avisos dos amigos, decide ir. No caminho, coisas estranhas já começam a acontecer e, ao chegarem à mansão, Brendan dá as coordenadas para o início de um jogo que se revelará o mais mortal de todos.

Repleto de reviravoltas, Jogos macabros mantém o leitor apreensivo da primeira à última página. Como todo bom enredo de R. L. Stine, a história dá espaço a fantasmas, assassinato, traição e romance, e marca, enfim, um retorno triunfal do autor à Rua do medo.

” Só fico contente por ter descoberto o psicopata que você é ” (p. 40).

Rachel Martin trabalha em um café após o período de estudo. É durante um de seus turnos que ela é convidada para a festa de aniversário de 18 anos pelo (lindo, maravilhoso, encantador, crush eterno) Brendan Fear. Aquilo a desconcertou bastante, pois ele nunca havia se dirigido à ela. Sem nem relutar, Rachel aceita o convite e é assim que sua melhor amiga, Amy, e seu ex, Mac, enlouquecem. 

Os Fear era conhecida por ter um passado tenebroso e mistérios obscuros, o que garantia todos a distância. Ninguém era louco o suficiente para se misturar àquela família. Por esse motivo, o que não faltou foram reprovações de seus amigos. Apesar disso, Rachel já estava decidida. 

A festa, que duraria a noite toda, ocorreria na ilha do Medo na casa de Veraneio dos Fear (Essa da foto. Assustadora, não é?). Para chegar lá, um barco ficou responsável pela travessia do grupo de convidados. Já estava escuro quando chegaram. Eles são levados por uma trilha de terra em meio a mata até alcançarem a casa. Chegando lá, o grupo é surpreendido com um jogo criado pelo aniversariante: cada um, junto a sua dupla, deveria procurar objetos (take a look no que tinha na lista: pernas de corvo, tarântula viva, um dedo de múmia) escondidos pela casa descritos em um envelope que receberam ao chegar. O que eles não sabiam era que o jogo se inverteria e eles que acabariam tendo que se esconder.

” Eu não tinha como saber que o pesadelo havia apenas começado ” (p.56).

Gostei bastante do ambiente e dos personagens. Tem toda aquela turma divertida, do tipo high school. Dá uma pegada teen com suspense.

” Cada folha que soprava em meu tornozelo me assustava. Cada sombra que se movia fazia eu me encolher de medo” (p. 271).

O que mais me impressionou foi a maneira que R.L. Stine conduziu a história. Não consigo explicar o quão perfeita sua escrita é! Ele escreve cadeias que se encaixam perfeitamente nas que se sucedem. Gostei muito também do fato de não detectar aqueles tipos de parágrafos que só estão lá para encher as páginas.

Confesso que não estava esperando gostar tanto do livro. O nome parece clichê, mas podem ter certeza de que sua história não é. Pela experiência com a leitura do autor, sei que sempre tem uma surpresinha no final, mas igual a de Jogos Macabros nunca vi! Se eu já gostava do autor, depois desse livro virei fã de carteirinha!

assinatura nova luiza

Resenha: O Silêncio das Montanhas, Khaled Hosseini

O-Silêncio-das-Montanhas

Autor: Khaled Hosseini    Editora: Globo Livros Páginas: 348                      Ano:2013

Classificação 5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

O Silêncio das Montanhas traz como protagonista os irmãos Pari e Abdullah, que moram em uma aldeia distante de Cabul, são órfãos de mãe e têm uma forte ligação desde pequenos. Assim como a fábula que abre o livro, as crianças são separadas, marcando o destino de vários personagens.

Paralelamente à trama principal, Hosseini narra a história de diversas pessoas que, de alguma forma, se relacionam com os irmãos e sua família, sobre como cuidam uns dos outros e a forma como as escolhas que fazem ressoam através de gerações. Assim como em O Caçador de Pipas, o autor explora as maneiras como os membros sacrificam-se uns pelos outros, e muitas vezes são surpreendidos pelas ações de pessoas próximas nos momentos mais importantes.

Seguindo os personagens, mediante suas escolhas e amores pelo mundo – de Cabul a Paris, de São Francisco à Grécia -, a história se expanda, tornando-se emocionante, complexa e poderosa. É um livro sobre vidas partidas, inocências perdidas e sobre o amor em uma família que tenta se reencontrar.

“O tempo é como um encantamento. A gente nunca tem quanto imagina”

Um livro fantástico, envolvente, com uma história tocante.

Khaled Hosseini me surpreende mais uma vez e entra para a lista dos meus escritores favoritos.

A história é sobre dois irmãos com uma forte ligação, Pari e Abdullah que moram em uma aldeia na cidade de Cabul, são órfãos de mãe, moram com o pai e a madrasta num casebre muito simples. O pai se esforça para que eles tenham o que comer todos os dias. Logo no começo do livro eles são separados ainda crianças e passam a vida toda sentindo a ausência um do outro.

O livro conta ainda a história  de outros personagens que atingem a vida deles  direta/indiretamente, como a da madrasta e do tio, as histórias vão se cruzando no decorrer do livro e você acaba conhecendo profundamente todos os personagens e como as ações deles provocaram mudanças na vida dos irmãos.

Todos os personagens são interessantes, todas as histórias se ligam,  toda a história o leitor fica com o coração apertado, toda a história é fantástica. Fiquei com dó de terminar. Não tenho palavras suficientes para expressar o que senti durante a leitura.

Eu gostei muito do livro. O final  chega a ser dramático demais (tá, o livro todo é dramático, mas o final supera rs) deixando a sensação que a vida não é justa, mas não me arrependi de ter lido, aliás eu aconselho a leitura, é uma história bonita.

” Porque damos as costas à realidade quando ela se torna dura demais para aguentar?”

 

“A beleza é uma dádiva imensa e imerecida, distribuída aleatória e estupidamente.”

Já leu o livro? Me conte o que achou.

Não leu? Comente também! =D

assinatura nova ana

Resenha: Branca dos Mortos e os sete zumbis, Fabio Yabu

Branca_mortos_sete_zumbis_171

Autor: Fabio Yabu             Editora: Globo Livros Páginas: 240                       Ano:  2012

Classificação 3 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

“Branca dos Mortos e os Sete Zumbis” é o conto que abre o livro de mesmo nome pelo atormentado Abu Fobiya. Tal qual a caixa de pandora, uma vez abertas as páginas deste tomo macabro espalharão pesadelos e sortilégios ao redor do mundo.

 

 

 

” Foi quando ouviu um ronco atrás de si. Virou-se, procurando pelo predador, que pelo som não seria menor do que um javali. Mas nada viu. Do outro lado, ouviu uma risada maligna. E, enfim, um espirro. Pela primeira vez, ele não era caçador, nem caça. Era um banquete.”

Se pudesse escolher uma palavra para descrever esse livro, com certeza seria: Perturbador.

E sabe o que mais? Eu adorei! Durante a semana que eu estive com ele (sim, eu li em uma semana) tive pesadelos, tive repulsa, fiquei angustiada e queria parar de ler, mas não conseguia. É incrível como a mente humana é capaz de criar histórias como essas. É uma versão dos contos de fada completamente diferente de tudo o que eu já li e assisti, muito mais perturbador que os contos dos irmãos Grimm (e por acaso, ou não, tem um conto sobre eles no livro).images

O escritor Fabio Yabu conta ainda histórias da Branca dos Mortos (Branca de Neve), Cindehella (Cinderela), João, Maria e os Outros (João e Maria), A Vendedora de Fósforos, O Cemitério (Chapeuzinho Vermelho), Os Três Lobinhos, Samarapunzel (Rapunzel), A Confissão (Pinóquio) e outros que não consegui identificar. Ao todo são 12 contos de muito sofrimento e o mais incrível, no decorrer do livro eles se  cruzam.

Os que mais me impressionaram foram os contos da Chapeuzinho e Cinderela, contos com muito sofrimento, muito sangue e corpos mutilados.

“Eu poderia viver aqui”, pensou. “Acho que minha sorte está mudando”. Ela ainda não havia aprendido.

Se você é fã de histórias desse gênero vai adorar, se não é mas mesmo assim vai se aventurar a ler, bom, como diz no prólogo “acenda as luzes e aceita a insônia”. 😳

Já leu o livro? Me conte o que achou.

Não leu? Comente também! =D

assinatura nova ana