Resenha: Desejo concedido, Megan Maxwell

desejo-concedido-megan

   Autor: Megan Maxwell – Editora: Essência          Ano: 2016 – Páginas: 464

Classificação 3/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino l Americanas

Sinopse:

Na Inglaterra do século XIV, após a morte dos pais, a jovem lady Megan Phillips, de vinte anos, segue uma vida tranquila, focada na educação e na criação de seus dois irmãos mais novos. Para fugir de um casamento arranjado por sua tia, Megan e a irmã, Shelma, vão para o castelo de Dunstaffnage, na Escócia, onde vive seu avô Angus de Atholl, do clã McDougall. Anos depois, durante o casamento de um de seus primos, Megan – uma mulher aguerrida, pronta a empunhar uma espada pra defender sua família e que não se dobra por nada e nem por ninguém –, conhece o temido guerreiro de olhos verdes Duncan McRae – um homem acostumado a liderar exércitos, mas que nunca esteve preparado para enfrentar o gênio forte de uma mulher. O destino trama contra (ou a favor de) Megan, que, contra a sua vontade, acaba se casando com Duncan. Conseguirão os dois se entender e seguir a vida como um casal feliz? Ou viverão às turras, como se estivessem num campo de batalha?

” – É uma cabeça dura, mulher! – reclamou ele, franzindo a testa.
– Por todos os santos celtas! – bufou Megan – Quantas vezes tenho que dizer que não, senhor?
– Até que diga sim – respondeu ele, divertindo-se com aquela conversa.”

Esse livro faz parte das minhas coleções: ‘ vou dar oportunidade‘  e ‘ ainda bem que dei oportunidade‘ hahhaha

Desejo concedido é uma leitura leve e sexy. É muito interessante conhecer os costumes dos cavalheiros, a forma que as mulheres eram tratadas, a vida nos castelos…e no meio de tudo isso, momentos tórridos de paixão ( sempre quis falar ‘ tórridos de paixão’ rs) e descritos de formas bem explicitas. 

O livro conta a história de Lady Megan e de sua irmã Lady Shelma duas irmãs orfãs, filhas de pai inglês e mãe escocesa. Por causa dessa descendencia, elas são consideradas sujas, já que os dois países vivem em guerra e odeiam com força seus oponentes.  A fim de conseguir dinheiro e expulsar as meninas de casa, sua tia arma um casamento com dois ingleses nojentos e num momento de desespero elas fogem para a Irlanda, pedir refúgio para Angus, o avó delas do Clã McDougall. 

Vivendo uma vida bem simples, sem o luxo que tinham na Inglaterra, elas continuam sofrendo o mesmo preconceito, mas dessa vez por terem um pai inglês. Por conta disso elas aprendem a se defender, elas sabem lutar, andar a cavalo como os homens ( que é o jeito que todo mundo anda hoje em dia, uma perna de cada lado), batem boca e saem nos tapas sem rodeios rs

Quando o primo delas se casa, uma grande festa é realizada e os highlanders são convidados para o casamento. Como uma boa festa de casamento deve ser, alguns convidados se interessam por outros…Lorde Duncan McRae ( lindo, alto, forte), que lidera o exército de highlanders fica super interessado em Megan, mas nada acontece porque Megan não vai se deitar com um highlander com fama de mulherengo.

” – Falcão! Isto que eu ouço é o seu coração disparado por essa moça bonita?

– O que está dizendo? – disfarçou ele – Meu coração só bate desenfreado quando estou combatendo. Não se esqueça.”

Meses depois acontece uma reviravolta na história. Duncan e Megan precisam se casar, assim como Shelma e Lolach, outro highlander. É um choque de personalidade esses casais, já que Megan e Shelma foram criadas para se defender e tem comportamentos nada comuns para damas. Já Duncan e Lolach são guerreiros que não estão acostumados a receber ordens ou respostas atravessadas…Bom gente, dá pra imaginar o inferno que é né rs…mas é daquelas, brigam e vão pra cama hahaha

” – Porque preciso saber o que se sente quando se beija a pessoa que mais se deseja no mundo. Sei que você e eu nunca poderemos ficar juntos. E imagino que Axel um dia encontrará um marido para mim, e o terei que beijar. Mas seu beijo será aquele que quero recordar por toda a vida.”

E então, outra reviravolta! Mas agora fica o suspense.

Muitos personagens merecem uma surra, ou pelo menos um soco no nariz.  Gente é muita infantilidade, não dá pra entender. Mas em compensação é um romance divertido de ler, tem aquela pegada dramalhão mexicano, e como eu já disse, cenas de sexo descritas com precisão.

” – Nunca mais faça isso. Eu lhe ordeno – sussurrou ele, com tanta doçura que parecia qualquer coisa menos uma ordem.

– Não me dê ordens – sorriu ela ao escutá-lo -, ou sua vida será um inferno, Falcão.”

Eu recomendo a leitura, é boa para passar o tempo. 

E vocês, tem alguma opinião sobre o livro? 

Até a próxima!

Beijo, outro, tchau!

assinatura nova ana marys

 

Resenha: Amor Verdadeiro, Jude Deveraux

amor-verdadeiro

           Autor: Jude Deveraux – Editora: Essência       Ano: 2016 – Páginas: 464

Classificação 2.5/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino l Americanas

Sinopse:

Ambientado numa ilha paradisíaca e um dos romances mais cultuados de Jude Deveraux, best-seller americana que já vendeu mais de 60 milhões de exemplares pelo mundo, o livro conta a história de Alix Madsen. Quando ela está terminando a faculdade de arquitetura, Addy Kingsley, amiga de seus pais, morre. No testamento, a mulher estipula que a jovem tem direito a viver por um ano em sua encantadora casa do século XIX na ilha de Nantucket (Massachusetts), EUA. O relacionamento de tia Addy com a família Madsen é um mistério para Alix, mas ela aceita a oferta e, ao chegar na propriedade dos Kingsley, percebe que não é má ideia passar uma temporada ali. Além de o lugar ser um sonho para qualquer arquiteto, ela conviverá com o charmoso Jared Montgomery Kingsley, dono de um dos mais importantes escritórios de arquitetura do país e sobrinho-neto de Addy, portanto, herdeiro natural da casa. O que Alix não imaginava era que tia Addy tinha um propósito muito específico para ela quando a colocou naquele lugar: solucionar o desaparecimento de Valentina, uma das mulheres da família Kingsley, ocorrido cerca de dois séculos antes. Em meio ao verão na ilha, Alix e Jared serão obrigados a conviver, o que pode ser a chave para desvendar o tal mistério dos Kingsley

“Por um momento, os olhares de ambos se cruzaram, e pareceu a ela que centelhas lhe percorreram o corpo.” 

Nuntucket fica em Massachusetts, é uma ilha e foi palco de uma grande tragédia. A casa dos Kingsley foi o principal cenário do mistério. Caleb Kingsley, um antigo dono, morrera aos 33 anos de idade já fazia duzentos anos, e ainda continuava com a mesma aparência. Sim, ele é um fantasma, mas somente os homens da família chamados Jared Montgomery podiam enxerga-lo, além de outras poucas exceções, como a tia Addy, última dona da casa. Os filhos da família recebiam esse mesmo nome juntamente a um número indicando a sua geração.

A tia Addy acabou falecendo deixando em seu testamento um último pedido: hospedar Alix Madsen, uma amiga da família, na sua casa durante um ano para que ela pudesse desvendar o que aconteceu entre Caleb e sua amada Valentina. Ao que tudo indicava, o fantasma estava preso ali porque, enquanto viva, Valentina havia sumido sem deixar nenhuma pista.

“Ele tinha até 23 de junho, apenas algumas semanas, para descobrir o que havia acontecido com a mulher a quem amava tanto que nem a morte poderia separá-los.” P. 15-16

Trazendo Alix até a casa poderia ser uma oportunidade para resolver todo esse mistério. Ela aceitou, mas o problema era que a garota não sabia o porquê do convite, somente concordou em ir porque sabia que Jared Montgomery (Desta geração) ia muito para a casa na ilha descansar (Ele morava em Nova York) e queria encontra-lo, pois, sendo estudante de arquitetura e Jared um famoso arquiteto (E incrivelmente bonito), viu uma oportunidade de aprender com ele.

“Se eu tivesse permanecido com Valentina, nada disso teria acontecido […].” P. 351

Alix e sua mãe Victoria iam sempre para a ilha quando a garota era menor. Enquanto passavam os dias lá, tia Addy percebeu que a pequena Alix falava com os ventos, por isso suspeitou de que ela conseguia também ver Caleb.

Em meio a toda essa confusão, Alix, sem ter a consciência de que iria até lá para conversar com fantasmas, só tinha olhos para seus trabalhos de arquitetura e Jared Montgomery, que antes era um ídolo, acabou se tornando uma pessoa simples, normal. Ela enxergou o ser humano por trás de todo glamour da fama do homem. Um sentimento parecido foi também despertado em Jared. As mulheres com as quais se relacionavam eram elegantes, finas e ricas. Ele percebia que as mesmas buscavam mais status do que de fato o amor verdadeiro.

Amor Verdadeiro é narrado em terceira pessoa e prende com facilidade o leitor. Posso admitir que até eu encontrei dificuldade em assimilar tudo de uma vez ao ler a sinopse ou resenhas sobre o livro, mas isso não causa problema, pois o leitor vai se familiarizando com todos os segmentos da narrativa a medida que a história se sucede.

O enredo não me cativou completamente de início, mas a leitura é muito gostosa. A autora soube criar expectativas que são atendidas. Tudo vai se encaixar no final. Acho interessante destacar que, mesmo que o livro não foi dividido em partes I e II, eu senti que elas estavam presentes, pois no primeiro momento da narrativa, tudo envolvia o desenrolar do romance entre Jared e Alix, somente após essa conciliação o segmento da história que envolve o mistério entre Caleb e Valentina é aprofundado.

Um ponto negativo que me incomodou muito foi a capa, onde há um casal loiro de abraçando, sendo que os principais têm na verdade cabelo castanho e ruivo.

Pelo mais e pelo menos, eu recomendo esse livro se você está a fim de ler um romance com uma pegada sobrenatural, mas sem aquele tipo de tensão muito “mágica” proporcionada pelas fantasias. Como a história se desenvolve em uma ilha, o clima é muito gostoso. Temos direito a passeios pelas praias, pelas ruas durante a manhã, quando o ventinho ainda é gelado, e também idas e vindas a casas de velhos amigos. Garanto risadas!

assinatura nova luiza

Resenha: Quantum Break, Cam Rodgers

quantum-break

 Autor: Cam Rodgers – Editora: Outro Planeta                  Ano: 2016 – Páginas: 384

Classificação 3/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino l Americanas

Sinopse:

Jack Joyce passou seis anos tentando escapar. Escapar da vida, do tempo, da loucura de seu irmão, Will. Mas quando ele finalmente volta para casa, descobre que seu irmão não era louco como ele imaginava. Will criou uma máquina do tempo, com o potencial de salvar a humanidade. Guerras? Agora podem ser previstas. Desastres naturais? Podem ser evitados.
Só há um pequeno problema… sua máquina também vai causar o final do tempo, tal como o conhecemos. Agora Jack te apenas uma chance de voltar ao passado, de consertar o que está errado e de salvar o mundo.
‘Quantum Break: estado zero’ é o romance oficial do game de mesmo nome, dos mesmos criadores de Max Payne e Alan
Wake, conhecidos por transformar suas produções em verdadeiros filmes de ação, com atores conhecidos e efeitos especiais de última geração.

[…] eu queria o máximo de tempo possível para construir algo que nos ajudaria a desafiar o fim do mundo, o fim do tempo, sobreviver a ele (P. 91).

Seis anos haviam se passado. Seis. E agora Jack Joyce voltou para sua cidade natal a fim de encontrar Paul Serene, um velho amigo, e escutar o que ele tem a lhe dizer. Paul enviara um e-mail a Jack alegando que Willam Joyce, irmão de Jack e um grande físico, parecia estar enlouquecendo. Aproveitou e disse que precisava mostrar algo que mudaria sua vida. 

  Os pais dos garotos faleceram quando eram ainda bem jovens, caindo sobre Will toda responsabilidade sobre o irmão mais novo. O fato desencadeou algumas discórdias entre os dois e uma delas envolvia o motivo pelo qual Jack se mantivera afastado por tanto tempo: o projeto que seu irmão estava ajudando a desenvolver.

Projeto Passarela era uma máquina investido por Paul Serene através da Monarch Solutions, um centro de pesquisa, com a possibilidade de viajar no tempo. A intenção do projeto era prever e evitar todo tipo de destruição que a humanidade possivelmente enfrentaria. Antes de Will, outro físico trabalhava no projeto, mas este morrera de maneira misteriosa. Sem saber o porquê, o Will se voltou contra a pesquisa pela qual trabalhou a vida inteira e Paul então o via como uma ameaça que precisava ser eliminada o mais rápido possível. Jack fica dividido entre seu melhor amigo e seu irmão, passado e presente, vingança e amor.

   A Monarch não existe para mudar o futuro… existe para nos ajudar a sobreviver a ele (P. 154).

  Em Quantum Break a focalização da narrativa é externa, ou seja, em terceira pessoa. A linha dos eventos traçam uma trajetória recheada de ação, tanto que praticamente tudo transcorre durante um dia inteiro, começando pelas 4 da manhã! Os poucos momentos em que conseguimos respirar são para nos aprofundarmos melhor no enredo. Conhecemos melhor Paul Serene e Sofia Amaral, seu par romântico e também brasileira, também Zed, September e Beth. 

  Confesso que achei que odiaria o livro quando comecei a ler. Pensei comigo mesma que a leitura poderia ser muito complicada e cansativa, ainda mais tratando de ficção científica (Ainda mais ainda de um game!). Mas quando não, a história me envolveu tanto que assisti a games play e resenhas do jogo e senti vontade de jogar! Não tenho o jogo e não posso fazer comparações, mas é certo de que o livro trouxe muitas informações valiosas que não contém no game. Vale a pena ficar por dentro!

  Cam sugeriu  incluir algumas informações e conceitos que estavam presentes nos primeiros rascunhos da história (Sam Lake, Prefácio).

  Por fim, assistam ao trailer do jogo aqui embaixo. Dá vontade de saber mais sobre o mundo de Quantum Break? Sim ou com certeza?

assinatura nova luiza

Resenha: Nem tudo será esquecido, Wendy Walker

nem-tudo-sera-esquecido

     Autor: Wendy Walker – Editora: Planeta                 Ano: 2016 – Páginas: 288

Classificação 3.5/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino l Americanas

Sinopse:

Um dos suspenses psicológicos mais elogiados nos Estados Unidos Tudo parece perfeito na pequena Fairview, em Connecticut, até a noite em que a adolescente Jenny Kramer é violentada durante uma festa. Nas horas posteriores, ela é medicada com uma droga controversa para que as memórias da violência sejam apagadas. Mas, nas semanas que se seguem, enquanto se cura das dores físicas, Jenny percebe que guardou nuances daquela noite. O pai, obcecado por sua incapacidade de descobrir quem abusou de sua filha, busca  justiça, enquanto a mãe tenta fazer de conta de que o crime não abalou seu mundo cuidadosamente construído. Segredos da família e do círculo próximo começam a vir à tona durante a busca incessante pelo monstro que invadiu a comunidade – ou que talvez sempre tenha estado lá –, guiando este thriller psicológico para um fim chocante e inesperado.

“A música tocava muito alto, e ela a teria ouvido da cena do ataque. A playlist estava cheia de mega hits pop, aqueles que ela disse que conhecia bem, com letras do tipo que grudam na cabeça. Mesmo com a música e as risadas que escapavam pelas janelas abertas, ela teria ouvido os outros sons mais próximos, os suspiros sórdidos de seu agressor, suas próprias súplicas guturais”

Jenny é uma garota de 16 anos, tem cabelo loiro comprido, olhos azuis, é esbelta e atlética, ela tem sardas e uma pequena covinha do lado direito da boca. Mora com os pais, Tom e Charlotte, e com o irmão mais novo, Lucas. Em uma noite, que prometia ser melhor que qualquer outro momento de sua vida, ela vai à uma festa.

Havia sido convidada por Doug, mas quando chega lá, encontra ele com outra garota. Desiludiada, Jenny começa a beber sem controle. Depois de passar mal, fica com vergonha de sua atitude e chorando corre para fora da festa, direto para o meio da mata.

Então, o pior acontece: Jenny é estuprada. Após uma hora de violência, tinha sido encontrada por um casal de namorados largada com o corpo esgotado no chão sujo, ela foi salva. Seus pais decidem que o melhor a fazer é autorizar um tratamento para induzir a amnésia anterógrada limitada de acontecimentos traumáticos.

“Não havia emoções ligadas à voz dele nem emoções positivas de ser salva. Eu tinha o poder de dar essa explicação e, ainda assim, não podia, porque eu precisava que ela ficasse com essa teoria, com a falsa memória, mesmo que eu fingisse convencê-la do contrário. Fechei a boca e engoli as palavras. A verdade.”

Quando acorda, Jenny não lembra-se de nada, fica apenas um vazio, além das cicatrizes físicas, incluindo um entalhe nas costas, um machucado feito com um graveto pelo agressor. O detetive Parsons assume o caso sem muito sucesso, o estuprador usou camisinha, havia se depilado e usado luvas, não havia nenhum rastro para seguir.

Num ato de desespero, Jenny resolve por fim à vida e corta os pulsos. Ela é socorrida por sua mãe e seu amante. Após esse incidente, Charlotte, Jenny e Tom começam a fazer tratamento individualmente com o psiquiatra Alan. Nas sessões, Jenny tenta relembrar o que aconteceu naquela noite. Segredos são revelados, como o caso de Charlotte com Bob, dono da concessionária e chefe de seu marido Tom.

Em meio ao tratamento da família, o psiquiatra Alan também cuida do paciente Sean, um ex-fuzileiro naval, que também havia sido submetido ao tratamento para induzir a amnésia, após ter perdido um companheiro de trabalho e o próprio braço durante um ataque com bomba. Jenny e Sean começam a frequentar um grupo de terapia de vítimas de trauma, e ficam mais próximos.

“Um paciente senta diante de você. Ele perdeu o braço em combate. Ele perdeu a memória do combate. Ou, mais precisamente, ela foi tirada dele. Agora ele perdeu a si mesmo para sua própria mente. Esse homem não é merecedor de seu tempo?”

Surgem duas pistas, um Honda Civic azul foi visto parado perto da mata na hora do atentado, e um rapaz usando um casaco azul estampado com um pássaro vermelho foi visto entrando na mata. Ao mesmo tempo, Jenny começa a ficar cada vez mais próxima do que realmente aconteceu, surgem como suspeitos o chefe de seu pai Bob e o filho do psiquiatra Jason. Ela segue na ânsia por justiça, tentando achar em sua memória o motivo da sua dor.

Nem tudo será esquecido é uma narrativa do psiquiatra Alan do que se passa em seu consultório, na vida dos personagens e em sua vida desde o atentado, o que nos dá a sensação de como é o tratamento de pessoas que passam por traumas.

Toca de forma delicada no assunto estupro, e em como não só a vítima, mas toda sua família sofrem com o ocorrido. Mostra também que apagar da memória o trauma não é a melhor coisa a se fazer, que o melhor é enfrentar os monstros em nossa cabeça e superar os problemas, mesmo sendo difícil vencer um trauma.

“Só quero que isso acabe.

Ela repetiu isso entre fungadas e lágrimas.”

Noventa por cento do livro acontece dentro do consultório de Alan, e através do tratamento, cada personagem vai enfrentando seus monstros e descobrindo seu verdadeiro eu. A história segue com o objetivo de encontrar o estuprador, e eu tive meus palpites, mas no final é alguém que nem imaginamos, e o leitor descobre que o psiquiatra e a paciente Jenny tem monstros iguais.

Plus: O livro será adaptado para o cinema e a diretora será a talentosa Reese Witherspoon em parceria com a Warner Brothers. Vale lembrar que Reese foi uma das responsáveis pelo sucesso da adaptação de “Garota Exemplar”.

É um livro interessante, eu indico a leitura! Beijocas!

assinatura nova tábata

Resenha: Desculpa se te chamo de amor, Federico Moccia

desculpa-se-te-chamo-de-amor

        Autor: Federico Moccia – Editora: Planeta     Ano: 2009 – Páginas: 413

Classificação 2/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino Americanas

Sinopse:

Niki é uma bela garota, é divertida, é inteligente. Tem 17 anos. Alex é um ‘garoto’ de quase 37. Separou-se há pouco, e sem uma razão clara, de sua noiva. Publicitário com grandes responsabilidades vê-se em crise no trabalho. Os dois se cruzam casualmente num pequeno acidente de trânsito. Niki gosta de Alex, Alex acha Niki divertida. A relação fica cada vez mais intensa. Não querem deixar a diferença de idade atrapalhar. O mundo dos adolescentes se choca com o dos adultos. Mas a vida dos dois nunca mais será a mesma. Este romance é a vontade de reencontrar a própria liberdade, a vontade de ter sentimentos verdadeiros, de amar sem convenções e sem muitos porquês. É o cotidiano, mas também o sonho.

Um livro divertido daqueles tipo mamão com açúcar, porém limita-se meramente em passar o tempo. A grande lição observada diz respeito as novas expectativas em relação ao amor romântico e a liberdade concedida por si mesmo para recomeçar.

A parte mais difícil já passou. Alessandro, 37 anos, é abandonado pela sua noiva, Elena. Espelhando seu desânimo, sua aflição é evidente.

“(…) quando alguém que você deseja se vai, você tenta mantê-lo com as mãos e espera assim prender também o seu coração. E não é assim. O coração tem pernas que você não vê”.

O homem não relutou. Não havia nada a ser feito a não esperar que a dor da perda passasse. Entretanto, em um dia supostamente ordinário, Alessandro choca com seu carro na motinha de uma garota chamada Nikki, de 17 anos e bem maluquinha, dando início a história dos dois.

Como Alessandro era um homem que levava seu trabalho bastante a sério, muita das vezes a vida não lhe proporcionava asas, mas depois que Nikki entrou em sua vida, fez parecer com que esta tivesse oscilações que o arrastava cada vez mais às coisas que ele nunca pensou que poderia lhe provocar tanto prazer.

Desculpa se Te Chamo de Amor nos faz indagar se a diferença de idade pode ser uma tangente irrefutável dentro de uma relação amorosa. Com isso, é apontado múltiplos obstáculos os quais os dois tiveram que enfrentar. Nenhum dos dois estavam certos do futuro, todavia sabiam que não conseguiriam mais um viver sem o outro.

Parece aquele típico enredo clichê de livro de adolescente. É… pois é. Ele é. Entretanto, não são esses clichês que nos deixam apaixonadas?

“(…) partem velozes. E Nikki, pouco depois, adormece por debaixo do edredom que a cobre. Ele a observa enquanto dirige e sorri. E ela parece aquela coisa tão linda para a qual não se encontram palavras”.

Espero que essa resenha tenha aguçado a curiosidade de vocês.

Ressalvo que este é meu ponto de vista, assim, abro um caminho para que vocês sintam-se a vontade e comentem quando e o que quiserem, pois a opinião de todos é valida!

Obrigada pela leitura!

assinatura nova luiza

Resenha: Nerve, Jeanne Ryan

CAPA-Nerve

      Autor: Jeanne Ryan – Editora: Outro Planeta Ano: 2016 – Páginas: 304

Classificação 3/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino Americanas

Sinopse:

Você já se sentiu desafiado a fazer algo que, mesmo sabendo que pode se arrepender depois, acaba levando em frente? A heroína deste livro também.
Vee cansou de ser só mais uma garota no colégio, e quer deixar os bastidores da vida para assumir seu merecido posto sob os holofotes. E o jogo online Nerve, febre nacional transmitida ao vivo, pode ser o início dessa trajetória de sucesso. Basta que ela clique no botão “Jogador” em vez de “Espectador” para entrar na disputa, que propõe, a cada etapa, um desafio novo.
A adolescente acaba formando uma dupla imbatível com Ian, um garoto desconhecido com quem trava contato ao se inscrever em Nerve. Juntos, vão galgando posições no jogo. Mas, conforme os dois avançam na disputa, os desafios ficam cada vez mais complexos… e perigosos.

” – Se quer mesmo se envolver com o nerve, acesse o site amanhã como observadora

Quando eu comecei a leitura eu senti que já tinha visto isso antes..e vi mesmo, ano passado quando li o livro The Game [ O jogo] 😳 😳 

Em nerve, a adolescente Vee trabalha como assistente em um teatro onde sua melhor amiga é a estrela da peça. Vee tem um vida bem comum, sem grandes emoções, principalmente depois de um mal entendido que a deixou de castigo pelo resto da vida. Cansada de todos dizendo que ela devia se arriscar mais, ela resolve fazer um desafio do jogo online Nerve. Mas só para provar que ela pode fazer umas loucurinhas quando quiser.

” É difícil acreditar que pouco antes eu estava deprimida atrás de uma cortina empoeirada vendo minha melhor amiga me esfaquear pelas costas. E agora? Prêmios, diversão e dinheiro, talvez. Adoro esse jogo”.

Esse jogo online disponibiliza desafios para os usuários, e quem fizer mais sucesso é selecionado para a etapa seguinte. Coisas simples, como virar um copo de água na cabeça no meio da cafeteria ou cantar bem alto em público…a cada jogada o desafio fica mais difícil e o prêmio aumenta…como uma bolsa de estudos, um carro, uma viagem…o interessante é que o jogo sabe o prêmio que o jogador quer e usa isso a favor.

E aí meus queridos que a Vee toma gosto e quando nota, está completamente envolvida e mais encrencada que nunca. 

” Solto um sorriso e respiro fundo. E de novo. É hora do show”

” Quanto mais rápido eu cumprir o desafio, maior é a chance de sobreviver a ele. Ou não desmaiar, pelo menos”.

No meio dos desafios ela encontra Ian, um outro jogador. Nerve decide que eles serão uma dupla e passam a realizar os desafios juntos. Além dos jogadores temos os observadores, eles pagam para assistir o jogo, sugerem desafios e muitas vezes acompanham as missões. 

Mas nem tudo é diversão. O jogo começa a tomar um rumo muito sombrio, com desafios pessoais que ameaçam relacionamentos e o bem estar da dupla. Mas os prêmios são tão bons que eles decidem ir até o desafio final. Esse desafio envolve todos os outros jogadores que conseguiram cumprir todas as missões e o jogo preparou uma grande surpresa para eles. Confesso que não gostei dessa parte, enrolou muito e ficou confuso…

” Todo mundo prende a respiração. Há sete pistolas penduradas no fundo do armário”

Mas no geral o livro é viciante! Li em dois dias e queria uma continuação. Super recomendado!

Recentemente saiu um filme inspirado no livro. Isso mesmo, inspirado. Porque NÃO TEM NADA A VER COM O LIVRO. Nada. Agora eu sei como os fãs de Percy Jackson se sentiram 💔 

Confere aqui o trailer:

É isso pessoal! O que acharam? Já leram ou assistiram o filme?

Conta aqui tudo o que passa nessas cabeçinhas!

Até a próxima.

Beijo, outro, tchau!

assinatura nova ana marys

Resenha: Órfão X, Gregg Hurwitz

orfao-x

         Autor: Gregg Hurwitz – Editora: Planeta     Ano: 2016 – Páginas: 336

Classificação 3/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino Americanas

Sinopse:

Quando garoto, Evan Smoak foi recrutado no orfanato onde vivia para fazer parte de um programa americano ultrassecreto. Rebatizado de Órfão X, ele foi treinado para ser um exímio assassino e enviado aos piores lugares do mundo para missões que ninguém mais conseguia executar. Depois de longos anos de atividade, Evan deixa o programa e usa as habilidades de agente secreto para “desaparecer” e viver para um único propósito, agora sob o codinome de “Homem de lugar nenhum”: salvar e proteger pessoas pobres e  indefesas como ele havia sido. No entanto, seu passado de matador sangrento passará a assombrá-lo e também a seus protegidos. Alguém tão bem treinado quanto ele – talvez um ex-colega de programa?– está na sua cola, para tentar eliminá-lo.

“Evan respirou. ‘Nunca leve para o lado pessoal. Não presuma nada. Nunca leve para o lado pessoal. Não presuma nada’, pensou ele.

Podia sentir o peso da pistola sobre o joelho. A arma estava sempre ali, leal e confiável, uma constante. Aço e chumbo reagiam de maneira previsível. Eram finitos, imutáveis, domáveis. Evan podia contar com eles.”

Evan Smoak é um assassino profissional, que foi treinado pelo governo num programa que transforma órfãos em máquinas de destruição. Lhe foi dado o codinome de Órfão X, e antes dele tiveram Órfãos com todas as letras do alfabeto.

Evan teve como mentor e treinador Jack, e quando ele é morto, o Órfão X decide fugir do programa e usar o que sabe para ajudar as pessoas. Muda-se para um apartamento em Los Angeles, onde através de um celular, que não pode ser rastreado, ele recebe as ligações pedindo sua ajuda.

Morena é uma garota de 17 anos que vive em um bairro humilde junto com a irmã de 11 anos, Carmen. Elas haviam sido abandonadas pelo pai e a mãe havia falecido fazia um ano. Morena sofria abusos sexuais pelo investigador William Chambers. Ela entra em contato com Evan, conhecido como o Homem de Lugar Nenhum, para pedir sua ajuda, pois teme o momento em que William resolva começar a abusar de sua irmã.

“- Você faz parte do que chamamos de Programa Órfão. É excepcionalmente equilibrado e muito comedido diante do desconhecido e foi escolhido para o programa justamente por ter essas qualidades. Há outros como você. Mas jamais os conhecerá.”

Evan encara essa missão e, rapidamente, põe fim à vida do investigador. Ele era assim, um anti-herói, um matador do bem, se é que isso existe. Após concluir a missão, ele despede-se de Morena e diz para ela encontrar outra pessoa que precise de ajuda e dar seu número de telefone.

Em meio a suas missões, ao fingir ter uma vida pacata, Evan conhece Mia, uma promotora de justiça, moradora de seu prédio, e seu filho de 8 anos Peter. Ele se aproxima cada vez mais dessa pequena família, tendo noção de como é uma vida normal.

“- O que faz você feliz?

Dessa vez, não houve intervalo entre pensamento e resposta:

– Suas sardas.

Mia entreabriu os lábios. Deu alguns passos para trás, para dentro do quarto. Ameaçou falar alguma coisa, mas parou.”

Apenas 5 dias após concluir a missão, ele recebe a ligação de Katrin pedindo sua ajuda, ela diz que foi indicada por Morena e está sob ameaça por dívidas de jogo. Ao encontrar com Katrin em um restaurante, eles sofrem um atentado, mas conseguem sair ilesos. Ela diz que o pai  dela, Sam, encontra-se nas mãos dos bandidos. Esses bandidos eram Slatcher e  Candy, comandados por Top Dog.

Evan começa uma investigação, mas ainda sem conseguir ajudar Katrin, não sabe a identidade nem o paradeiro de quem a ameaça, ele recebe outro telefonema, um pedido de ajuda de Memo Vasquez, que também diz tem sido indicado por Morena. Evan tinha deixado bem claro para Morena que ela deveria indicar somente uma pessoa, então vai atrás dela para descobrir o que aconteceu.

Um dos dois, ou Memo, ou Katrin, está mentindo, e Evan descobre que está sob ameaça, alguém quer ele morto. Agora terá que lutar para sobreviver, ao mesmo tempo em que tenta salvar as pessoas que pedem sua ajuda.

Órfão X é um livro de suspense com muita ação, onde nem tudo é o que parece. No desenrolar da história temos alguns flashbacks de quando Evan ainda era novo e estava em treinamento. Tem muitas partes com lutas, em que ele fica entre a vida e a morte, mas a última é a melhor de todas. O livro é cheio de momentos tensos e não tem quase nada de romance. Tem 59 capítulos e a partir do capítulo 37 é uma emoção atrás da outra.

Beijocas!

assinatura nova tábata

Resenha: Over the rainbow

over the rainbow

Autor: Vários – Editora: Planeta           Ano: 2016 – Páginas: 224

Classificação 3/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino Americanas

Sinopse:

E se a Cinderela se apaixonasse por uma garota, e não por um príncipe encantado? Ou se os irmãos João e Maria, homossexuais assumidos, enfrentassem a ira de uma madrasta religiosa que só pensa em curá-los? Ou, ainda, se a Branca de Neve, abandonada numa cidade bem distante de sua terra natal, fosse acolhida por… sete travestis?

Pois pare de imaginar se os contos de fadas fossem revisitados e recebessem uma roupagem LBGTT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais). Abra este livro e confira as clássicas histórias da infância de milhões de pessoas contadas sob a ótica de cinco autores que fazem parte desse universo, representado pelas cores do arco-íris. Ou melhor, contos de fadxs, como reza a nova norma de gêneros.

” Finalmente alguém a tinha entendido, e esse alguém era um travesti de 2 metros de altura”

Acho que como a maioria, esse livro me fisgou pela curiosidade. Como assim transformar as histórias dos contos de fada em contos de fadxs LGBTT? Oi? Deixa eu ler isso ai nem.

O livro é composto por cinco coletâneas de cinco autores diferentes. Cada história trás um conto de fadas moderno, todos passados no Brasil e com os personagens centrais sofrendo algum tipo de preconceito por serem gays, lésbicas ou travestis. Algumas histórias tem um conteúdo sexual, o que limita um pouco o público, mas isso acontece apenas em duas histórias, na Cinderela e Rapunzel

E se você achava clichê os contos de fadas, com pessoas que se apaixonam e juram amor eterno, assim rapidinho, te digo que é exatamente isso que você vai encontrar na maior parte dos contos hahah…Mas convenhamos que contos de fadas tem que ser assim mesmo né.

Vou falar rapidamente sobre o que trata os contos, assim o post não fica longo e cansativo. O primeiro, Cinderela, conta a história de Catarina, uma adolescente lésbica que mora com a Madrasta e as duas filhas. Catarina é apaixonada pela Helena, sua meia irmã. Ela nutre esse sentimento em segredo e além de sofrer por não poder se declarar ela ainda sofre com o desprezo da Madrasta. ( Essa história é bem safadinha rs)

” Se minha mãe souber que você esteve no meu quarto ela me mata, então bico calado Catarina!”

O segundo conto é João e Maria, dois irmãos adolescentes que vivem com o pai e a Madrasta, essa por sua vez louca religiosa que acha que um exorcismo vai resolver esse ‘ problema’ dos irmãos. Essa foi uma das histórias que mais gostei, porque tem um pegada sombria…

” – Isso – ela socou mais uma vez- é para você aprender – mais um soco- a não mexer com um veado – e mais um soco certeiro- que tem uma irmã sapatão. Porque na hora de bater eu bato como homem e não como menina. E viro mais homem que você seu merda.”

Depois tem o conto A Bela e a Fera que conta a história do romântico Rodrigo e do amargurado Bruno. Muitas baladas, tinder e declarações de amor exageradassssss….rs. Esse não curti muito.

” …’ Mãe, fiz uma promessa a mim mesmo que, quando eu completasse dezoito anos, contaria isso pra você… Eu sou gay.
– Depois disso escutei um trovão e uma freada brusca, a ligação começou a chiar e caiu…. horas se passaram depois da ligação, foi quando bateram em minha porta. Era um policial, ele disse que houve um acidente e meus pais não tinham sobrevivido”

O quarto conto quase erótico rs…é da Rapunzel, conta a história de Augusto, um jovem rico, delicinha e gay, Os pais não aceitam e obrigam ele a esconder sua sexualidade. Essa foi uma história muito interessante porque explica a diferença de HIV e Aids. Foi uma lição para mim porque eu realmente não sabia diferenciar elas, pra mim as duas eram a mesma coisa.

” – Tá bom! O que eu tô querendo dizer é que eu gosto de garotos, eu sou gay.
– Que merda é essa, Augusto? Você perdeu a noção das coisas? Desde quando você virou veado? Tá louco??? Me diz, Augusto! Você quer acabar com a nossa família, manchar nosso sobrenome? Que porra é essa? Era só o que me faltava, ser pai de bichinha.”

E por último mas não menos importante, temos a história de Júlia, uma adolescente que vive com a Madrasta, uma mulher muito vaidosa e com inveja da enteada. E Júlia tadinha, só quer realizar seu maior desejo, fazer sua cirurgia de mudança de sexo. Depois de ser enganada pela Madrasta, ela acorda em um hospital, sem dinheiro, sem identidade e acaba indo morar na rua. Mas sete travestis acolhem Júlia e ajudam a jovem a se reerguer. Esse conto foi muito legal porque a autora tratou do assunto com muita delicadeza, falou muito sobre os sentimentos e como a sociedade julga o travesti. Foi interessante. 

” Naquela casa de travestis segregadas do mundo tradicional existia família e amor.”

Eee acabou! O que acharam? Ansiosos para ler? Conta aqui a opinião de vocês, tô aguardando ansiosa!

Até a próxima!

Beijo, outro, tchau!

assinatura nova ana marys

Resenha: A instrução dos amantes, Inês Pedrosa

a-instrucao-dos-amantes

Autor: Inês Pedrosa – Editora: Planeta                 Ano: 2006 – Páginas: 168

Classificação 3/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino Americanas

Sinopse:

A instrução dos amantes é um romance sobre o amor. Ou melhor, é o amor o principal personagem deste livro. Há a história de Cláudia que se apaixona por Dinis no funeral de Mariana, que não se sabe como pôde ter se matado – ou teria ela caído da varanda acidentalmente? Assim como há as narrativas das aventuras da turma liderada por Ricardo Luz – o valente namorado de Cláudia -, que brinca no cemitério à noite ou rouba gasolina dos carros para alimentar as motos. Também há as outras turmas, mas há, principalmente, meninos e meninas, todos com o coração à flor da pele. E nada disso importa, pois há a pele, que junta e separa, e os beijos, os corpos, os segredos, e o sem-jeito das palavras, a submissão, as dores das traições e rejeições e, claro, as cartas ridículas. Há, enfim, o amor, tão misterioso quanto a frase resmungada pelo velho Murinelo: “Há respostas humanas para o que não é humano”.

“Filipe cultivava a maior das misoginias, que é a de compreender as mulheres. Costumava dizer que havia três variedades de Belas Adormecidas: as mais baratas eram as que não acordavam nunca; dentro da gama mais sofisticada, que acorda com um beijo, havia as que tinham um mecanismo para adormecer outra vez e as que não voltavam a adormecer, por mais que se lhes fizesse – e eram estas, evidentemente, as que saíam mais caras.”

A história desse livro gira em torno de um grupo de amigos, composto por Cláudia, que namorava Ricardo, as gêmeas Luísa e Laura, Teresa, João, Isabel, seu namorado Filipe, Radar, Linhos, Alexandra e, o irmão de Isabel, Dinis, que não fazia exatamente parte do grupo. A trama inicia-se no funeral de Mariana, amiga do grupo, que havia se matado. E a história principal surge quando, durante o funeral, Cláudia apaixona-se por Dinis.

Os personagens estão na época de escola, acredito que no Ensino Médio, e entre amizades e romances, surgem as brincadeiras. Como uma vez que vão até o cemitério, vendam um integrante do grupo e a vítima deve procurar, agarrar e nomear quem achar primeiro, sem falar com ele.

“Depois a memória acabou, caiu, despenhou-se inteira nas mãos dele, ali, na cintura dela. Fechou os olhos, desejou morrer dentro daquele peito que lhe escaldava o coração: ‘onde é que eu estou, onde é que eu começo, não sei de mim, de onde vem esta alegria que me dói tanto, se ao menos eu conseguisse parar de tremer.'”

E é através de um jogo, em que é feita uma pilha de papéis com os nomes das mulheres e dos homens, onde cada um vai dançar com a pessoa que sortear, que Cláudia aproxima-se de Dinis. Mesmo ainda estando com Ricardo, ela acaba envolvendo-se com o rapaz.

No mesmo clima de paixão da adolescência, João pede ajuda de Teresa para escrever uma carta de amor à Alexandra. Enquanto Cláudia aproxima-se de Isabel para poder ficar perto de seu amor Dinis. Elas acabam tornando-se amicíssimas de verdade. Mas será que essa amizade permanecerá mais forte que o romance com garotos?

“- A beleza, meu filho, para as raparigas, é uma coisa espiritual. Sem explicação nem medida. É por isso que é muito difícil encontrar duas raparigas com a mesma opinião sobre a beleza de um rapaz. As mulheres não são todas iguais, como os homens. Até são capazes de gostar de um monstro como tu.”

A instrução dos amantes é um livro curtinho, com enredo simples, e, apesar de ter sido escrito no português de Portugal, dá pra entender tudo. Fala de paixão, de como essa coisa arrebatadora entra em nossas vidas e nunca mais somos a mesma pessoa, fala também do amor não correspondido.

Mas, não espere muitos ensinamentos desse livro, nem um final espetacular, ele serve apenas como uma lembrança de como é a paixão juvenil. Quem nunca sofreu de “paixonite” nem comece a lê-lo. Beijocas!

assinatura nova tábata

Resenha: Filosofia para Corajosos, Luiz Felipe Pondé

filosofia-para-corajosos

Autor: Luiz Felipe Pondé – Editora: Planeta          Ano: 2016 – Páginas: 192

Classificação 3/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino l Americanas

Sinopse:

O objetivo deste livro é ajudar o leitor a pensar com a sua própria cabeça. Para tal, o filósofo e escritor Luiz Felipe Pondé, autor de vários best-sellers, se apoia na história da filosofia para apresentar argumentos para quem quer discutir todo e qualquer tipo de assunto com embasamento. Afinal, os grandes filósofos estudaram, pensaram e escreveram sobre os temas essenciais com os quais ainda lidamos no mundo contemporâneo. O livro está dividido em três partes: “Uma filosofia em primeira pessoa”, onde o autor conta como ele entende a filosofia; “Grandes tópicos da filosofia ao longo dos tempos”, que traz um repertório básico dos temas que todo mundo precisa conhecer mais a fundo; e “Por que acho o mundo contemporâneo ridículo”, uma análise ferina da sociedade atual.

“Muitas vezes temos a sensação de que estamos vivendo a vida dos outros e não a nossa. Essa sensação aparece quando sentimos que fazemos o que os outros querem e não o que nós queremos”

Esse não é um livro com uma história, tão pouco um livro de autoajuda. É uma reflexão de um filósofo com seus pensamentos sobre o mundo, sempre baseado no estudo feito sobre outros filósofos. Os capítulos são divididos por perguntas feitas e respondidas pelo autor. As questões focam na existência humana, fala do mundo e para o mundo.

Descobri que filosofar é falar a língua dos outros, e logo no começo do livro já temos um pouco do filósofo Friedrich Nietzche. Depois, o Luiz Felipe Pondé passa a falar sobre o Romantismo, o mal-estar com a modernidade, e o fato de ganhar dinheiro para sobreviver é o que compete a maioria, pois poucos podem se dar ao luxo de trabalhar com o que amam.

“Outro exemplo fácil disso é a desvalorização da maternidade. Ser mãe não paga salário; logo, pouco vale. Não é à toa que as mulheres emancipadas não querem ser mães de muitos filhos porque preferem ter uma inserção maior na cadeia produtiva de bens.”

Eis dos temas abordados pelo autor e que também devemos refletir: O que estamos fazendo no mundo? Existe vida após a morte? Se Deus não existir, tudo é permitido? Existe evolução moral na humanidade? Dinheiro compra amor verdadeiro?

Mais uns capítulos a frente me deparei com uma análise sobre Platão e Aristóteles. Para Platão, as imperfeições do mundo e da vida seriam fruto de incompetência do demiurgo. E passamos para a Metafísica de Aristóteles, que explora o mundo das verdades eternas e não materiais.

Também é explorada a questão “Deus existe?”, tida pelo autor como uma das perguntas mais inúteis. Mesmo assim ele faz sua tese através do pensamento do filósofo Blaise Pascal.

“Enfim, não existe esse eu verdadeiro a não ser como mais um produto nas prateleiras do mundo contemporâneo, que há muito desistiu de qualquer ideia de personalidade em favor de uma ideia com menos ônus, que é a de estilo e de felicidade a todo custo.”

Outro assunto abordado no livro é a moral ou ética, que para o autor seriam sinônimos. E que para Aristóteles deveriam ser praticados a ponto de serem espontâneos. E depois de refletir sobre esse assunto, vamos direto para o hedonismo, ou viver segundo o prazer.

Tem uma parte do livro que diz que a maioria das pessoas é um mero número da cadeia reprodutiva. E que a felicidade como meta de todos é o que destruirá o mundo. Talvez o autor esteja sendo um pouco pessimista, mas ao meu ver, essa é a mais pura realidade e o que acontece nesse momento é que surge a carência por uma espiritualidade.

No fim, a leitura fluiu de forma rápida, é um livro curto, que não se aprofunda muito, é uma leve pincelada sobre a filosofia, de forma pra que mesmo para pessoas que não sabem muito sobre o assunto (como eu) consigam ler e parar pra pensar por si mesmo.

Beijocas!

assinatura nova tábata

Resenha: Traços, Eduardo Cilto

traços

Autor: Eduardo Cilto – Editora: Outro Planeta      Ano: 2016 – Páginas: 272

Classificação 3/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino l Americanas

Sinopse:

Quando Matheus aceitou acompanhar Beatriz na festa do colégio, jamais imaginou que terminaria a noite participando de um ritual místico (de veracidade duvidosa) para saber o que o futuro reservava para ele e a amiga. Assim que as velas que os cercavam se apagam e uma resposta esquisita encerra a cerimônia, Beatriz leva o resultado a sério e entende que deve fugir da cidade pequena para se encontrar com seu destino nas ruas da capital de São Paulo. Perdido no meio de tudo, Matheus é obrigado a repensar o que considera certo ou errado quando é convidado para participar do plano maluco de fuga e decide que precisa passar por cima dos limites impostos pelos pais para finalmente ser capaz de entender quem realmente é. Os dois amigos partem sozinhos para São Paulo e carregam consigo não somente as malas nas costas, mas também o peso de todos os problemas que achavam que estavam deixando para trás. Sem ter ideia do que estão enfrentando, Matheus e Beatriz descobrem mais sobre si mesmos, criam, quebram laços e encaram desafios que jamais pensaram que confrontariam enquanto contavam as moedas para realizar esse grande plano que iria mudar suas vidas para sempre.

” A vida pode ser muito parecida com os quadrinhos, pois ambos tem alguém controlando o que acontece; no caso você é o desenhista da sua própria história, e os traços feitos são as ações que toma para designar o rumo que sua vida seguirá. Então tenha consciência de que, a partir de agora, é você quem define o desenho que seus traços vão formar.”

Olha, eu acho que se eu tivesse 16 anos eu teria amado essa história! Mas no auge dos meus cabelos brancos, cheia de boleto pra pagar, confesso que os personagens me irritarem com a falta de responsabilidade! 

Mas uma coisa é certa, a história é bem escrita e gostosa de ler. Matheus e Beatriz formam uma dulpa que não deveriam ir na padaria juntos. Não dá pra confiar hahaha

Matheus foi um personagem que eu gostei muito. Ele é um adolescente muito  tranquilo, muito comum. Ele tem um lado nerd, tem um problema de relacionamento com o pai, é apaixonado por Beatriz, tem poucos amigos…assim, não fede nem cheira, mas ele seria meu amigo na escola com certeza! É uma pessoa muito boa e disposto a ajudar os amigos.

Agora a Beatriz…aff. Que garotinha escrota. Mimada e egoísta. Não sei como o Matheus pode se apaixonar por ela. Pensa numa pessoa que é má influência e multiplica por dez. O resultado é a Beatriz. E o pior, a Beatriz é fã de um youtuber ( pois é, eu disse que isso era o pior)  e foge de casa para encontrar ele em São Paulo. Como ela não quer ir sozinha, já que ir sozinha é chato, ela envolve o Matheus e o convence a fugir com ela. Ele vai né, adolescente apaixonado faz cada coisa.

” Ás vezes, as pessoas se deixam cegar pelo número infinito de expectativas que as cerca e acabam não percebendo que o que elas mais querem está na frente do próprio nariz, não exatamente como imaginam, mas muitas vezes de um jeito até melhor do que o esperado.”

A viagem é marcada por vários acontecimentos. Carona com drag queens, documentos falsos, youtubers sendo desmascarados, sequestro, policia, reencontros…com certeza ambos tiraram uma lição.  A escrita do autor é muito madura e em muitos momentos encontramos mensagens de motivação e reflexão. Pela primeira vez encontrei um livro escrito por um youtuber que não foi feito para falar de si próprio e sim contar uma história.

” O mundo pode ser extremamente assustador e hostil quando você é forçado a encará-lo sem estar preparado. Mas é assim que as coisas sempre acontecem.”

” – O que quero dizer é que até o Super-Homem, que é o cara mais forte do mundo, fica fraco quando encontra uma pedrinha de kryptonita de vez em quando. Você vai ficar bem, vai dar tudo certo!”

O engraçado é que esse não é um romance. Não tem momentos fofos, de carinho, declarações de amor, pegação ou beijos.  Ele se encaixa melhor em uma categoria de aventura. 

Finalizando…esse livro é voltado para o público juvenil, pois trás muitas situações que vivemos nessa idade e também conta com referências desse mesmo universo. Fica a dica de leitura e para presentear!

Até a próxima.

Beijo, outro, tchau!

assinatura nova ana marys

⭐️ Livros que indico – Editora Planeta

E hoje tem indicação de livros! Uhul! 🎉 🎉 E dessa vez apresento apenas publicações da editora planeta! Livros incríveis que combinam com essa editora incrível! 

Cata essa indicações e seja feliz!

A garota perfeita

A Garota Perfeita4 ⭐️ “A história central é sobre o sequestro de Mia, uma jovem de 25 anos e filha de um famoso Juiz. O livro é narrado em primeira pessoa por três personagens: Eve, a mãe de Mia, o detetive do caso Gabe Hoffman e o sequestrador Colin Thatcher. Cada capitulo é dedicado a um personagem e alternam em durante o sequestro e depois. Não quero entrar em detalhes para não estragar as teorias antes da leitura. Eu mesma montei várias e no fim fiquei de boca aberta soltando um lindo ” oxeeeeeeee”.”  Tem resenha aqui no blog!

raio de sol

Raio-de-Sol4 ⭐️ ” Mas mesmo ficando chateada com essa ” enrolação” eu gostei da história. É um livro que passa uma mensagem muito bonita, que no fim você tem vontade de ser uma pessoa melhor. Eu vejo a Kate como um furação. Ela passa na vida das pessoas e muda tudo. Mostra o lado bom, mostra que devemos cuidar da nossa saúde e das nossas relações com muito atenção e carinho. Ela é o tipo de amiga que eu gostaria de ter. Ahhh! E pensa numa menina sortuda pra arrumar homem! hahaha…” Tem resenha aqui também!

Over the rainbow

over the rainbow5 ⭐️ ” Sempre gostei de releituras de contos de fadas, porque como a grande maioria cresci cercada por eles, e mesmo hoje em dia sou apaixonada por alguns que foram parte da minha infância, e fiquei bem curiosa pelo livro, não só por ser uma releitura mas por trazer personagens LGBT pra dentro de histórias que cresci amando.  Over The Rainbow é um livro que tem uma pegada de magia e realidade, são 5 contos com personagens curiosos, realistas e parte do nosso contexto social.” Resenha completa no blog My little garden of ideas

azeitona

Azeitona Bruno Miranda CAPA4 ⭐️ ” Se tem uma coisa que eu procuro evitar são livros brasileiro. Isso por causa da minha quedinha pelos Estados Unidos. É por isso que quando peguei o livro Azeitona de Bruno Miranda não esperava muita coisa, mas confesso que me surpreendi (positivamente falando). Azeitona também trás a tona relacionamentos entre família e em algum momento o leitor vai se identificar com as situações. Bom, não vou falar muito sobre o livro, para não perder a graça, mas saiba que se você quiser dar boas risadas e se surpreender no final, Azeitona é o livro perfeito.” Tem resenha aqui no blog!.

que ninguém nos ouça

que ninguém nos ouça4 ⭐️ ” Esse foi um livro que li sem pressa. É como se eu conversasse com uma amiga, tinha dias que eu lia várias páginas de uma vez, em outros lia uma ou duas…e quando ficava sem ler, sentia falta. Foi incrível o quanto me identifiquei com as ideias das autoras, os dilemas sobre a maternidade, sobre a carreira, sobre encontrar um ponto de equilíbrio. Foram pouquíssimas vezes que discordei de alguma coisa. E sei que daqui um tempo vou pegar para ler um trecho. A Leila e a Cris são mulheres que eu gostaria de ter no meu circulo de amigos.” E também tem resenha aqui!

 

Diário internacional de Babi

O Diário (internacional) de Babi4 ⭐️ ” A história é contada em primeira pessoa, por isso a todo tempo enxergamos e ouvimos pelas perspectivas de Bárbara e como nos fala no título o livro é mesmo escrito em forma de diário. Nele Babi vai anotando as datas e horas e assim nos situando sobre seus dias, pensamentos e aflições. Vou dizendo de cara que me encantei com a escrita da Chris, ela nos conduz sem que percebamos a passagem das páginas. Algo mágico para quem gosta de se entregar à leitura…” Resenha completa no blog Pensamentos Valem Ouro.

o nazista e o psiquiatra

O NAZISTA E O PSIQUIATRA4 ⭐️ ” O Nazista e o Psiquiatra narra a prisão, o julgamento, e, em muitos casos, a morte dos maiores líderes nazistas, causadores do Holocausto e outras barbaridades. P.S.: Esse livro foi composto através das anotações de todos os especialistas, de cartas dos próprios prisioneiros e dos guardas que trabalhavam no presídio. O autor fez um belo trabalho juntando as partes de forma coerente e com o tempo cronologicamente correto…” Resenha completa no blog Mais um leitor

orfão x

Órfão X” Quando garoto, Evan Smoak foi recrutado no orfanato onde vivia para fazer parte de um programa americano ultrassecreto. Rebatizado de Órfão X, ele foi treinado para ser um exímio assassino e enviado aos piores lugares do mundo para missões que ninguém mais conseguia executar. Depois de longos anos de atividade, Evan deixa o programa e usa as habilidades de agente secreto para “desaparecer” e viver para um único propósito, agora sob o codinome de “Homem de lugar nenhum”: salvar e proteger pessoas pobres e indefesas como ele havia sido. No entanto, seu passado de matador sangrento passará a assombrá-lo e também a seus protegidos. Alguém tão bem treinado quanto ele – talvez um ex-colega de programa?– está na sua cola, para tentar eliminá-lo.” ⭐️ Em breve resenha aqui no blog! 

NERVE

CAPA-Nerve” Você já se sentiu desafiado a fazer algo que, mesmo sabendo que pode se arrepender depois, acaba levando em frente? A heroína deste livro também.
Vee cansou de ser só mais uma garota no colégio, e quer deixar os bastidores da vida para assumir seu merecido posto sob os holofotes. E o jogo online Nerve, febre nacional transmitida ao vivo, pode ser o início dessa trajetória de sucesso. Basta que ela clique no botão “Jogador” em vez de “Espectador” para entrar na disputa, que propõe, a cada etapa, um desafio novo.  A adolescente acaba formando uma dupla imbatível com Ian, um garoto desconhecido com quem trava contato ao se inscrever em Nerve. Juntos, vão galgando posições no jogo. Mas, conforme os dois avançam na disputa, os desafios ficam cada vez mais complexos… e perigosos.” ⭐️ Em breve resenha aqui no blog! 

separador-lápiz-3

E ai, entusiasmados para ler algum desses? Eu já li metade dessas indicações e garanto: são boas leituras!

Fico aqui aguardando o comentário de vocês!

Beijo, outro, tchau!

assinatura nova ana marys

Resenha: Profissão Repórter 10 anos, Caco Barcellos e Equipe

profissão reporter

Autor: Caco Barcellos    Editora: Planeta        Páginas: 384       Ano: 2016

Classificação 4/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino l Americanas

Sinopse:

Comandado por Caco Barcelos, considerado por muitos o melhor jornalista da TV brasileira, o programa Profissão Repórter chega a uma década de existência com o chamado sucesso de público e de crítica. Ao longo de cerca de 250 programas, a produção semanal, exibida na TV Globo, conquistou inúmeros prêmios, foi objeto de estudo em universidades e virou referência para quem quer ser repórter. O livro Profissão Repórter 10 anos grandes aventuras, grandes coberturas comemora este aniversário trazendo o relato dos jornalistas que fizeram vinte das melhores reportagens exibidas pela TV Globo.

Mais do que apenas um relato dos bastidores, os autores das reportagens revelam um pouco da alma de cada programa onde, como diz Caco Barcelos, a estrela principal tem que ser e é a reportagem de qualidade.

“Os acasos são fascinantes. Deixar-se levar pela história, a pequena ou a grande história, é um fetiche de nove entre dez repórteres que passaram pelo programa (e muitos narram episódios do tipo com detalhes saborosos nas próximas páginas). Para mim, o acaso é um pouco mais. É quase uma justificativa para minha existência: em 1978, meu pai reparou numa baixinha adorável no cinema Belas Artes. Trocaram olhares na fila da sessão e telefones na saída do filme. E aqui estou. Fruto do acaso. Fosse outro filme a que algum dos dois decidisse assistir, fosse outro cinema, fosse outro dia, fosse outro horário, eu não existiria. Se a sessão estivesse lotada demais, e meu pai não desse conta de prospectar a baixinha adorável, eu não existiria” (Caio Cavechini)

O programa Profissão Repórter era um quadro do Fantástico que desde 2006 é transmitido pela Rede Globo, atualmente às quartas-feiras. Eu já assisti várias vezes o programa, e quando vi o Caco Barcellos bonito assim na capa logo quis ler.

O livro é dividido em 5 partes: Um novo desafio, Grandes aventuras, A redação e o repórter, Grandes coberturas e Olhares Externos. São histórias dos repórteres que trabalharam no programa ao longo desses 10 anos. O texto  que abre o livro “Histórias entre o céu e a terra” foi escrito pelo Caco, quando, atrás de uma boa história, foi cobrir o garimpo na Amazônia. Tamanha foi sua surpresa quando ele soube que, durante uma viagem de barco, havia ficado ao lado de um criminoso foragido e detalhe é que só foi descobrir isso quando retornou aos estúdios. Tinha perdido a grande história.

“Acredito que a gente pode mudar a vida das pessoas contando uma história. Acredito que é nossa obrigação ouvir as pessoas que não são habitualmente ouvidas, que precisamos estar perto do povo para mostrar suas dificuldades, que os relatos mais importantes surgem nas situações mais simples.” (Gabriela Lian)

Tem um texto “Um passaporte haitiano”, do Thiago Jock em que ele retrata a vinda de um migrante do Haiti para o Brasil. E pensar que enquanto muitos brasileiros querem sair do nosso país, tem gente que sonha em vir pra cá e trazer a família. O repórter fica tão conectado com a matéria que acaba se preocupando com o futuro do haitiano. Espera e faz de tudo para ajudá-lo.

Temos também o relato da repórter Gabriela Lian, “A corda do Círio de Nazaré”, onde ela retrata sua vivência ao lado dos fiéis. A dificuldade e sua preocupação com a estética são descritas por quem, mesmo não tendo a mesma fé, viveu na pele o dia dos pagadores de promessa.

“Eu me afastei, chorando, respirei fundo, dei um tempo e voltei. Como é possível criar uma casca e não se deixar afetar por esse tipo de coisa? Que profissão é essa que fui escolher? Esse tipo de pergunta é aquele que brota uma vez para não nos deixar mais. Cinco anos depois, ainda não tenho respostas, mas novas perguntas” (Eliane Scardovelli)

E tem o relato do editor Rafael Armbrust de como é juntar horas de gravação e fazer disso algo interessante, mesmo sem aparecer de fato na tela da TV. E a alegria de sua vó quando finalmente ia ao ar uma reportagem em que ele era o repórter e o editor.

Todos os textos do livro são bons! A parte que mais gostei foi “Grandes Coberturas” e o texto que mais gostei foi “Syntagma, St. Paul e Serra da Saudade”, por Paula Akemi, que relata suas experiências durante a reportagem nessas praças. Indico para fãs do programa, entusiastas do jornalismo e curiosos que, como eu, adoram uma boa história.

“Ver um repórter renomado e respeitado na Globo, com três livros publicados, desdobrando-se para conseguir mostrar uma história é animador e também inspirador e faz com que os mais jovens não desanimem em cenários muito adversos, de silêncio e porta na cara.” (Felipe Gutierrez, sobre Caco Barcellos)

Quando assisto reportagens, me dá uma vontade de ser jornalista, ficar viajando por aí e ganhar para isso. O livro me fez enxergar o repórter como trabalhador, que tem que ficar longe da família e trabalhar com jornada incerta, tudo para nos contar uma história.

Beijocas!

assinatura nova tábata

Resenha: Raio de Sol, Kim Holden

Raio-de-Sol

Autor: Kim Holden – Editora: Planeta            Páginas: 448 – Ano: 2016

Classificação 4/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino l Americanas

Sinopse:

Segredos.
Todo mundo tem um.
Alguns são maiores que os outros.
Alguns, quando revelados,
Podem curar você…
E outros podem acabar com você.
Faça épico, costuma dizer Kate Sedgwick quando quer estimular alguém a dar o melhor de si. Nascida numa família-problema, com direito a mortes e abandono, a garota de dezenove anos sempre buscou fazer a diferença. Em vez de passar os dias lamentando os infortúnios da vida, como tantos fariam em seu lugar, sempre vê as coisas pelo lado positivo não é por outro motivo que Gus, seu melhor amigo, a chama de Raio de Sol.
E é por isso que, quando passa na faculdade e se muda da ensolarada San Diego, na Califórnia, para a fria cidade de Grant, em Minnesota, ela leva consigo apenas boas lembranças e perspectivas. O que ela não espera é que será surpreendida pelo amor único aspecto da vida em relação ao qual nunca quis ser otimista ao conhecer Keller Banks, um rapaz que parece corresponder aos seus sentimentos. Acontece que tanto ele quanto ela têm um segredo. E segredos, às vezes, podem mudar tudo.

” Você está me perguntando isso mesmo? Gus. Você me conhece. Esse é praticamente o meu lema: sem arrependimentos. Arrependimentos só servem para imaginarmos alternativas e sentirmos raiva e tristeza, e não posso me dar o luxo de nada disso”.

Quando comecei a ler Raio de Sol eu  imaginava que alguma coisa triste ia acontecer, porque ele sempre aparecia ao lado de outros livros tristes, e como minha vida é só alegria, eu decidi chorar um pouco e encarar a realidade com ele hahah

A história é sobre Kate Sedgwick, uma adolescente de dezenove anos que ingressa na faculdade com bolsa de estudos. Ela sai da calorosa Califórnia para o frio de Minnesota. Kate teve uma vida muito difícil, mas quando você a conhece parece que a vida dela é perfeita! Ela é muito simpática, atenciosa, sorri de verdade, vê sempre o lado bom das pessoas…E por isso seu melhor amigo gato a chama de Raio de Sol. Mas não fiquem achando que ela é toda bobinha e anda saltitando. Ela fala palavrão sim, ela fica brava sim, ela arruma briga sim..ô se arruma! A diferença é que ela é feliz e transmite isso para as pessoas. A Kate é daqueles pessoas que a gente sente raiva porque acordou de bom humor, sabe? 

” As vezes as coisas funcionam a meu favor, e às vezes, não. É a vida. A gente só precisa aproveitar ao máximo.”

” Deus, como a pessoa mais positiva que eu conheço pode não acreditar no amor? Você é uma contradição tão grande.”

O livro é narrado por Kate e Keller ( o gatinho que ela se envolve na faculdade). E a história gira em torno dela e das pessoas que cruzam seu caminho durante o primeiro ano de faculdade.

” Silenciosamente, solto um ” obrigada Deus, o homem de pé na minha frente é um exemplar estonteante. Excelente trabalho!“. E encaro aqueles olhos tão azuis.”

Sinceramente a autora poderia ter tirado umas cem páginas da história, porque fica muito no mesmo, não tem tantas situações diferentes. Mas eu entendo que ela  fez isso para nos envolver na história e no fim nos matar  de chorar. Só isso explica rs.

Mas mesmo ficando chateada com essa ” enrolação” eu gostei da história. É um livro que passa uma mensagem muito bonita, que no fim você tem vontade de ser uma pessoa melhor. Quando você se torna um adulto amargo ( Oi!) e lê uma história dessas, começa a pensar em que ponto deixou de ser uma pessoa positiva. Quando Keller diz que ” a Kate sorri de verdade, não como essas pessoas que sorriem por sorrir”, eu pensei: quando foi que eu passei a sorrir no automático? * momento reflexão rs*

Eu vejo a Kate como um furação. Ela passa na vida das pessoas e muda tudo. Mostra o lado bom, mostra que devemos cuidar da nossa saúde e das nossas relações com muito atenção e carinho. Ela é o tipo de amiga que eu gostaria de ter. Ahhh! E pensa numa menina sortuda pra arrumar homem! hahaha…Só cara gato cruza o caminho dela! Quando a autora descreveu o Gus eu imaginei ele como o Chris Hemsworth, só que novinho. Gato né? E o Keller então? Tão gato que eu não encontrei ninguém para dar de referência rs.

E termino dizendo que fiquei chateada com o final. Assim, bem chateada mesmo viu dona autora. 

Ah o livro tem continuãcão! Mas dessa vez é contada por Gus. Se você lê em inglês já pode aproveitar a leitura. Preparando meu lencinho aqui.

Ah, antes de terminar o post selecionei algumas frases do livro:

” Sinto vontade de dar um tapinha nas costas dele para aliviar um pouco a tensão. Mas não faço isso. Eu adoro tocar nas pessoas, mas aprendi por tentativa e erro que algumas pessoas ficam surtadas com toques.”

” Tenho uma implicância com pessoas que fazem mal ao próprio corpo. Muitas pessoas dariam qualquer coisa por um corpo saudável. Seu corpo é um templo. Não se caga no templo.”

” Por mais que eu tente não pensar e não deixar a vida me deprimir, às vezes ela me deprime. E não quero isso. Porque a vida é um dom.”

E fico aguardando os comentários de vocês! 

Até a próxima!

Beijo, outro, tchau!

assinatura nova ana marys

Resenha: Azeitona, Bruno Miranda

Azeitona Bruno Miranda CAPA

Autor: Bruno Miranda    Editora: Planeta     Páginas: 352  Ano: 2016

Classificação 4/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui -> l Submarino l Americanas

Sinopse:

Ian e Emília não trocaram mais que duas palavras desde que começaram a estudar juntos, mas é o nome dela que vem à mente dele quando precisa de uma parceira para um plano mirabolante: participar de um reality show sobre casais adolescentes que vão ser pais. Isso em troca de um cachê capaz de resolver todos os seus problemas.

Ian tem dezesseis anos e foi criado pela irmã, Iris, que precisou abrir mão de oportunidades na vida para cuidar dele. Agora, quando ela finalmente vai conseguir se formar na faculdade, ele se sente na obrigação de retribuir de alguma maneira.

Emília, aos dezessete anos, não quer retribuir nada a ninguém – pelo contrário, seu sonho é sair de casa o quanto antes para não discutir mais com a mãe, com quem sempre teve uma relação conturbada.

O fato de que eles não são um casal nem têm planos de ter um bebê de verdade parece apenas um detalhe. Mas a vida reserva surpresas, nem sempre boas, para quem acredita que é fácil inventar a própria história.

O romance de estreia de Bruno Miranda, criador do canal Bubarim, no Youtube, é uma história divertida e tocante sobre relacionamentos familiares.

“Enquanto você tentar se completar com qualquer outra coisa que não seja amor de verdade, você vai só se inflar como um balão de festa; quanto mais cheia, mais frágil.”

Se tem uma coisa que eu procuro evitar são livros brasileiro. Isso por causa da minha quedinha pelos Estados Unidos. Amo tudo de lá; A música, os filmes, os livros… É por isso que quando peguei o livro Azeitona de Bruno Miranda não esperava muita coisa, mas confesso que me surpreendi (positivamente falando).

O livro conta a história de Ian, um jovem que vive com sua irmã que, recentemente, descobriu que estava grávida. O livro começa com a frase “Além de Ian, havia sete pessoas na sala de espera do consultório médico”, o que na minha opinião é uma ótima maneira para se começar um livro (eu por exemplo nunca sei como devo começar meus textos, mas isso não é relevante).

Enquanto espera sua irmã sair da consulta, uma mulher se aproxima e, simples assim, se diz apresentadora de um programa de TV chamado Novos Pais e convida Ian e sua namorada grávida para fazerem parte do programa, que além de pagar um ótimo cachê, pode torná-los famosos. Até ai, tudo parece uma maravilha. Quem não sonha em aparecer na TV? Só havia um pequeno probleminha que separava Ian da fama. Ele não tinha uma namorada! Muito menos uma namorada grávida!

Até aí tudo bem. Ian pode dizer que não, certo? Ele vai dizer que não, certo? Errado! Ian foi criado pela irmã, que desistiu de muitas coisas na vida para poder cuidar dele e por isso, ele sente que deve alguma coisa a ela.

Mas tudo bem, não vamos nos desesperar. Ele pode muito bem combinar com alguma amiga, ou quem sabe, em último caso, até pagar alguém para fingir ser sua namorada e fazer com que tudo de certo. Só que não é isso que ele faz! Quando a produtora liga perguntando o nome de sua namorada, ele da o nome de uma completa desconhecida: Emília, uma colega de sala que acabou caindo em seu grupo para um trabalho de escola.

O mais estranho, que acaba se tornando engraçado, é o fato de Emília aceitar fazer parte dessa farsa e ter que conversar com a galera da produtora, mesmo não sabendo NADA sobre Ian.

“-É o milagre da vida. – a garota disse, enquanto passava a mão sobre a barriga. – Aconteceu bem atrás daquela porta.
-No banheiro. – Catarina perguntou.
-Daquela. – Emília apontou para a próxima porta do corredor.”

Azeitona também tras a tona relacionamentos entre família e em algum momento o leitor vai se identificar com as situações. Bom, não vou falar muito sobre o livro, para não perder a graça, mas saiba que se você quiser dar boas risadas e se surpreender no final, Azeitona é o livro perfeito.

Explicação para o título (pode ser considerado spoiler):
Nos estágios inicias da gravidez o tamanho do feto é comparado a pequenos grãos, e em uma conversa com a produtora Ian disse que o feto de Emília estava do tamanho de uma azeitona (cerca de 3 meses) a questão é que por Emília não estar de fato grávida, o ‘bebê’sempre será um azeitona. ( Vi no Tenho mais livros que amigos).

assinatura leticia