Resenha: O jogo da mentira, Sara Shepard

o-jogo-da-mentira

   Autor: Sara Shepard – Editora: Rocco                  Ano: 2013 – Páginas: 296

Classificação 5/5 ⭐️ 🚍

Compre aquil Submarino l Americanas

Sinopse:

O jogo vai começar. Primeiro volume da nova série da autora de Pretty Little Liars, que ficou mais de 50 semanas no ranking do The New York Times e vendeu mais de cinco milhões de exemplares, O Jogo da mentira acompanha a história de duas gêmeas separadas ao nascer e unidas por um misterioso assassino. Com uma trama ainda mais intrincada e sombria, que tem início quando Emma resolve trocar de lugar com a irmã, a série repete a trajetória de sucesso de PLL, com um enredo repleto de suspense, intrigas e reviravoltas de tirar o fôlego, e uma bem-sucedida adaptação para a TV.

 

“Não me admira que Emma não consiga me ver. Não me admira que eu não aparecesse no espelho. Eu não estava ali. Eu estava morta!”

Já imaginou acordar sem memória em uma banheira e ver a si própria entrando pela porta, agindo como uma pessoa que você sabe que não é você?!  E o pior de tudo é descobrir que além dessa confusão, ninguém parece ver você por um simples e único motivo: Você está morta e agora é um fantasma! É exatamente isso que acontece com Sutton Mercer.

Beleza, antes de continuar me sinto na obrigação de avisar a você caro leitor que esse é o primeiro livro de seis e somente quatro chegaram a ser traduzidos para o português. Não porque os outros ainda não foram lançados, mas porque a série não fez tanto sucesso quanto a coleção Pretty Littles Liars.

saga-o-jogo-da-mentira

coleção completa

Mas continuando…

Sutton, depois de “acordar” morta em forma de fantasma, descobre que tem uma irmã gêmea que foi abandonada por sua mãe e não teve a sorte de ser adotada.

Emma Paxton, que sempre sonhou em ter uma família, descobre por um meio um tanto peculiar que tem uma irmã gêmea rica e marca um encontro com ela. Mas, o que era para ser um reencontro familiar se torna um pesadelo quando uma mensagem anônima chega as mãos de Emma dizendo que Sutton está morta e que se ela não se colocasse no lugar da irmã, acabaria perdendo a vida.

Sem saída, Emma decide se passar por Sutton, mesmo sem conhecer os hábitos da irmã e descobre que mais de uma pessoa (tipo toda sua família e amigos) são suspeitos do assassinato da irmã e que todos tem mais de mil motivos para odiar Sutton e querê-la morta!

O que mais me chamou atenção foi o fato do livro contar com dois pontos de vista dentro de um argumento (se é que você me entende): De um lado, Emma, que luta para se tornar uma Sutton tão boa quanto a original, ao mesmo tempo que tenta descobrir o assassino; E o de Sutton, que vai se redescobrindo, já que ela não se lembra de absolutamente nada de sua vida, apenas partes.

E tudo fica mais frustrante, porque Sutton não pode se comunicar com a irmã, portanto não pode contar das coisas que se lembra.

“Eu queria chorar, eu queria gritar, mas tudo que eu conseguia fazer era seguir Emma…’’

Bom, não vou continuar escrevendo, porque sou capaz de contar o livro todo, mas, se você não se importar de ler em inglês, eu super recomendo essa série. Em uma escala de 0 á 5 minha nota para esse livro é sem duvida um 5. Mas não se empolguem! As chances dos outros dois últimos livros serem traduzido é de 1 em 1 milhão. #Chateada. Mas, para vocês não dizerem que sou uma pessoa muito má por ter postado essa resenha, vou desejar um boa noite no estilo Sutton:

“Bons sonhos minha irmã gêmea há muito perdida. Eu a verei pela manhã…Ainda que você não me veja!”

assinatura leticia

Resenha: A rebelde do deserto, Alwyn Hamilton

a-rebelde-do-deserto

Autor: Alwyn Hamilton – Editora: Seguinte                   Ano: 2016 – Páginas: 288

Classificação 3.5/5 ⭐️ 🚍

Compre aquiSubmarino Americanas

Sinopse:

O deserto de Miraji é governado por mortais, mas criaturas míticas rondam as áreas mais selvagens e remotas, e há boatos de que, em algum lugar, os djinnis ainda praticam magia. De toda maneira, para os humanos o deserto é um lugar impiedoso, principalmente se você é pobre, órfão ou mulher.

Amani Al’Hiza é as três coisas. Apesar de ser uma atiradora talentosa, dona de uma mira perfeita, ela não consegue escapar da Vila da Poeira, uma cidadezinha isolada que lhe oferece como futuro um casamento forçado e a vida submissa que virá depois dele.

Para Amani, ir embora dali é mais do que um desejo — é uma necessidade. Mas ela nunca imaginou que fugiria galopando num cavalo mágico com o exército do sultão na sua cola, nem que um forasteiro misterioso seria responsável por lhe revelar o deserto que ela achava que conhecia e uma força que ela nem imaginava possuir.

” Aquilo doeu. Depois de quase dois meses de confiança, bastava ser uma garota para mudar tudo (p.161)”

 assinatura nova luiza

Resenha: Eu, você e a garota que vai morrer, Jesse Andrews

Eu-Você-e-a-Garota-Que-Vai-Morrer

Autor: Jesse Andrews        Editora: Fábrica 231        Ano: 2015     Páginas: 288

Classificação 2.5/5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

Livro que deu origem ao filme vencedor do Festival Sundance 2015, nas categorias Público e Crítica, com estreia marcada para 12 de junho nos EUA, Eu, você e a garota que vai morrer é uma mistura perfeita entre drama e humor e um retrato preciso da adolescência em face do amadurecimento. Na trama, Greg tem apenas um amigo, Earl, com quem passa o tempo livre jogando videogame e (re)criando versões bastante pessoais de clássicos do cinema, até a sua mãe decidir que ele deve se aproximar de Raquel, colega de turma que sofre de leucemia. Contrariando todas as expectativas, os três se tornam amigos e vivem experiências ao mesmo tempo tocantes e hilárias, narradas com incrível talento e sensibilidade. Crossover com enorme potencial no segmento young adult, o romance é perfeito para fãs de livros e filmes como A culpa é das estrelas e As vantagens de ser invisível.

“Eu realmente queria que Rachel acordasse. Em restospecto, isso era estúpido e sem sentido, porque eu não tinha nada para dizer à ela, só queria poder falar com ela outra vez”.

Foi durante minha viagem à Orlando que comprei esse livro. Não queria voltar sem ter comprado algum. A escolha foi um pouco aleatória, pois tinha tantos, mas tantos livros que foi difícil escolher. Agora posso dizer finalmente que o resultado dessa minha escolha não foi nem um pouco lamentável, a não ser pela garota que está morrendo.

Nosso autor e narrador, Greg Gaines, relata com detalhes sasrcásticos a trajetória e o impacto causado em sua vida durante e após a chegada de uma ex namorada, agora com câncer. Parece óbvio. Clichê. Provável. Claro. Evidente. Só que não.

Essa história não tem nada a ver com um romance típico adolescente. Ela é sobre um garoto mesquinho (Greg) as vezes beirando o desprezível, um garoto estranho (Earl) que pensa muito em peitos e uma garota que está morrendo (Rachel) que vai morrer.

Rachel está doente e a cada dia mais deprimida. Como a mãe de Greg é amiga da mãe de Rachel, ela o obriga a se aproximar da garota e pelo menos tentar animá-la um pouco. Contra sua vontade, ele o fez. É totalmente notável a falta de vontade e o esforço medíocre que Greg faz.

“Eu sou um burro que não sente emoções apropriadas e não consigo viver de verdade uma vida humana normal”.

Greg é um personagem que me irritou por diversas vezes. Claro que o entendo. Sempre foi o esquisitão, sozinho e sem amigos, com exceção de Earl, que desde pequenos se entendiam por terem gostos distintos da maioria. Enquanto uns gostavam de futebol, eles curtiam fazer filmes. Mas não se enganem. São os mais ridículos possíveis.

Voltando ao Greg, todas as vezes que ele fala com a Rachel seja para animá-la, dar força, apoio ou fazê-la rir, é mentira. Da boca dele não sai quase nada, e quando sai é fingimento. Não há nada que seja espontâneo, e isso me deixava aflita. Ele tem reações muito vagas com sentimentos. É indirefente. Porém, em sua cabeça, o que podemos perceber durante a narração, acontece um turbilhão de palavras mais irônicas que as outras. E isso foi um dos porquês que Eu, Você e a Garota Que Vai Morrer me impressionou tanto.

O livro é tão cômico de um jeito seco. São piadas brutais e diminutas. A maioria das vezes Greg critica a ele mesmo do como é possível sentir nada e não encontrar palavras certas.

Por fim, o livro está longe de ser uma leitura descartável. Tenho certeza que você vai se pegar rindo em vários momentos. Incrível foi ver que a amizade entre Greg e Rachel era apenas um disfarce para que Greg poderia fazer a diferença na vida dela, mas quem acaba sendo transformado é ele.

“Na verdade eu estava chorando o tempo inteiro, porque por alguma razão não tinha caido a ficha que ela estava morrendo, e agora eu estava literalmente a assistindo morrer, e isso era diferente de alguma forma”.

Aos mais sensíveis, este livro é altamente não recomendável, você vai receber muitos xingamentos do autor. Que dó!

Espero que essa resenha tenha aguçado a curiosidade de vocês. Ressalvo que este é meu ponto de vista, assim, abro um caminho para que vocês sintam-se a vontade e comentem quando e o que quiserem, pois a opinião de todos é valida!

Obrigada pela leitura!

assinatura nova luiza

Resenha: Cidade dos Etéreos – Livro II, Ransom Riggs

cidade dos etéreos

Autor: Ransom Riggs – Editora: Intrínseca   Páginas: 284 – Ano: 2016

Classificação 4/5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

Cidade dos Etéreos dá sequência ao celebrado O orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares, em que o jovem Jacob Portman, para descobrir a verdade sobre a morte do avô, segue pistas que o levam a um antigo lar para crianças em uma ilha galesa. O orfanato abriga crianças com dons sobrenaturais, protegidas graças à poderosa magia da diretora, a srta. Peregrine.

Neste segundo livro, o grupo de peculiares precisa deter um exército de monstros terríveis, e a srta. Peregrine, única pessoa que pode ajudá-los, está presa no corpo de uma ave. Jacob e seus novos amigos partem rumo a Londres, cidade onde os peculiares se concentram. Eles têm a esperança de, lá, encontrar uma cura para a amada srta. Peregrine, mas, na cidade devastada pela guerra, surpresas ameaçadoras estão à espreita em cada esquina. E, além de levar as crianças a um lugar seguro, Jacob terá que tomar uma decisão importante quanto a seu amor por Emma, uma das peculiares.

Telecinesia e viagens no tempo, ciganos e atrações de circo, malignos seres invisíveis e um desfile de animais inusitados, além de uma inédita coleção de fotografias de época — tudo isso se combina para fazer de Cidade dos etéreos uma história de fantasia comovente, uma experiência de leitura única e impactante.

“Eu estava ali por um motivo. Havia algo que eu precisava fazer, não apenas ser; e não era fugir ou me esconder, muito menos desistir no instante em que as coisas começassem aparecer aterrorizantes ou impossíveis”. (p. 95)

cidade dos etereos

fotos do livro

Esse é o segundo livro da série O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares. O primeiro está sendo adaptado por Tim Burton, divo das anormalidades, senhor das coisas estranhas, rei da melancolia, amante do terror e das olheiras fundas. E não era pra menos. Burton é genial! Todos os seus trabalhos têm um toque especial que, logo de cara, já nota-se que é sua criação. Sem mais, vamos para a resenha!

Como todos já sabem, ou não, Jacob e os peculiares estão em retirada. O orfanato foi destruído, e com eles estão alguns objetos simbólicos; o que restou para se lembrar do seu lar. Além disso, eles também contam com a presença da srta. Peregrine presa em forma de uma ave. A Ymbryne poderia, no máximo, permanecer por três dias nessa forma, pois a natureza animal poderia neutralizar seu interior humano. Com isso, eles partem à procura de uma salvação para a srta. Peregrine.

cidade dos etereos cidade dos etereos cidade dos etereos

Durante a jornada, eles encontram muitos acólitos e etéreos, os quais tentam enclausurá-los. Jacob, nosso narrador, é um peculiar diferente do grupo; matou um etéreo. Não só por isso, mas ele deixou sua família, sua vida pra trás a fim de ajudar os peculiares do orfanato.

“Naquele momento, fiquei profundamente grato aos ciganos e à cumplicidade da parte animal de meu cérebro, que achava uma refeição quente, uma canção e o sorriso de uma pessoa amada suficientes para me distrair de toda escuridão, mesmo que por pouco tempo”. (p.125)

Emma, por quem nutre um forte sentimento, o questiona várias vezes sobre insistir em ajudá-los. A garota enxergava o que Jacob abandonou, e, de fato, era tudo o que os outros peculiares sonhariam em ter.

“(…) eu optara por mergulhar em um mundo que jamais imaginara, onde vivia entre as pessoas mais vivas que eu já tinha conhecido, onde fazia coisas que nunca tinha imaginado ser capaz de fazer e sobrevivia a coisas às quais nunca tinha sonhado sobreviver”. (p.130)

As partes mais importantes do livro são o início e o fim. Muitas passagens no meio foram prolongadas. Embora, as vezes, no livro haja algo de grande proporção, enquanto poderia ser menor, não o compromete. Muitos que leram também puderam perceber isso através das fotos que foram encaixadas nas cenas. São as cenas que se adequam às fotos, e não o escritor que as conduz. Foi assim que aconteceu com primeiro livro da série, como explica Ransom Riggs.

Logo nas últimas páginas, temos uma listagem dos donos de algumas delas, além de uma entrevista exclusiva com o autor onde o mesmo explica que as fotos foram encaixadas nas cenas, e não ao contrário. Diz ele que elas tomaram papel secundário aqui.

cidade dos etereos

Imagem que achei mais sinistra.

Ainda sobre as fotos, o livro não é tão sombio quanto as mesmas sugerem. O ritmo me lembrou bastante Percy Jackson. Minha expectativa era de encarar um texto obscuro e apavorante. Quando não, ele chega até a ser engraçado. Não me decepcionou, só fez mais juz ao ditado: não julgue um livro pela capa. Óbvio que têm certas coisas, digamos, peculiares. De outro modo, não seria Tim Burton interessado.

Enquanto lia, imaginei a cena e dei uma risada:

” – Eu já era mais leve que o ar no instante em que nasci – comentou Olive, com orgulho. – Saí da barriga da minha mãe e fui flutuando para o teto do hospital! A única coisa que me impediu de sair pela janela e subir até as nuvens foi o cordão umbilical. Dizem que o médico desmaiou de choque!”. (p.139)

Ressalvo que este é meu ponto de vista, assim, abro um caminho para que vocês sintam-se a vontade e comentem quando e o que quiserem, pois a opinião de todos é valida!

Obrigada pela leitura!

assinatura nova luiza

Resenha: Guerra Civil, Stuart Moore

guerra civil

Autor: Stuart Moore  Editora: Novo Século   Páginas: 398                 Ano: 2014

Classificação 3/5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

A épica história que provoca a separação do Universo Marvel! Homem de Ferro e Capitão América: dois membros essenciais para os Vingadores, a maior equipe de super-heróis do mundo. Quando uma trágica batalha deixa um buraco na cidade de Stamford, matando centenas de pessoas, o governo americano exige que todos os super-heróis revelem sua identidade e registrem seus poderes. Para Tony Stark o Homem de Ferro é um passo lamentável, porém necessário, o que o leva a apoiar a lei. Para o Capitão América, é uma intolerável agressão à liberdade cívica. Assim começa a Guerra Civil

“Então, uma figura surgiu na porta, sua silhueta contornada pelo fogo enfurecido. Um homem alto e musculoso usando um uniforme vermelho, azul e branco rasgado. Capitão América, a lenda viva da Segunda Guerra Mundial, dava um passo cauteloso de cada vez, deixando o inferno para trás, carregando uma mulher inconsciente em seus braços fortes.”

Os Novos Guerreiros são jovens e inexperientes, mas querem ser valorizados. Por isso, resolvem que irão enfrentar uma gangue de vilões muito acima do nível de poder deles. O que acontece é que oitocentos e cinquenta e nove moradores de Stamford, Connecticut morrem nesse dia.

“E uma vez você me disse: quando o outro lado tem mais homens do que nós, mais armas do que nós, numa proporção de vinte para um, é hora de parar de lutar.

– É verdade, quando você está errado – Capitão o encarou. – Quando você está certo, finca o pé no chão e não tira o time de campo.”

Um programa de TV filmava todo o acontecimento e a população que assistia àquilo começou a sentir medo, pois não podiam mais confiar nos heróis. A qualquer momento uma pessoa, até então comum, podia vestir uma roupa colorida, e, sem nenhum tipo de treinamento, colocar em risco a vida de pessoas.

O bilionário Tony Stark, o Homem de Ferro, havia reunido os heróis que hoje formavam os Vingadores, tinha fé no poder da indústria e da tecnologia. Capitão América era guiado pelo coração e pelo instinto. Agora vou revelar um spoiler #SPOILERALERT que aparece logo no começo do livro. O que mantinha o eixo, o centro dos Vingadores era Thor, e agora o amigo e companheiro deles aparentemente morrera sozinho, em uma guerra disputada bem longe dali.

“Tony pegou o objeto. Homem-Aranha espreitou e viu o que era: uma moeda de prata de dólar comum.

– Eu… eu não estou entendendo – disse Tony.

O Demolidor virou-se um pouco para ele.

– Agora você tem trinta e uma moedas de prata, Judas.”

Tony vai para Washington falar com o Congresso sobre a situação dos super-humanos nos EUA. Nesse meio tempo, Peter Parker, o Homem-Aranha, torna-se o novo Vingador.

“- A culpa não é sua. Assim como não podemos culpar um policial por atirar em um criminoso que aponta uma arma para ele.

– Sra. Sharpe…

– Shh. Eu também queria lhe dar isso – ela procurou na bolsa. – Era o brinquedo preferido do meu filho Damien desde que ele tinha três anos.

Ele pegou o brinquedo e fitou-o através da chuva. O boneco do Homem de Ferro…”

A Lei de Registro de Super-Humanos (LRS) prevê que todos os meta-humanos teriam que se registrar e passar por um treinamento para ter permissão de usar seus dons para praticar atos de heroísmo. Ela também dá ao governo poderes extremamente amplos de repressão.

E a partir daí começa a Guerra Civil, escolha seu lado! Homem de Ferro lidera o grupo a favor da lei, e assume o comando de sua implementação, formado por Quarteto Fantástico, Homem-Aranha, Miss Marvel, Viúva Negra, Mulher-Hulk e com todo o apoio da SHIELD e seus agentes.

Capitão América sabe que a LRS acabará com as máscaras, com a identidade secreta, colocando em risco a família dos heróis, também teme o controle do governo e da SHIELD, e o pior é que quem não se registrar, será preso sem julgamento, mesmo ao fazer o bem. Ele lidera a Resistência, que é contra a LRS, formada por Patriota, Luke Cage, Wiccano, Falcão, Demolidor, Golias, Manto, Tigresa, Adaga, Gavião Arqueiro, Hulkling, Célere e  Estatura.

“Capitão balançou a cabeça. Esses dois só tinham um ao outro; Manto dependia da Adaga para sobreviver. Como alguém podia pedir para dois jovens como eles se registrarem, entregarem suas vidas ao governo?”

São duas batalhas entre os a favor da LRS e a Resistência. Lógico que não vou dizer quem vence, vou dar só alguns detalhes. Na primeira batalha um herói morre. A segunda batalha revela um traidor, envolve heróis dos X-Men e de Atlântida e tem um resultado que eu não esperava.

A história do livro gira em torno de cinco heróis principais: Homem de Ferro, Capitão América, Homem-Aranha e a família de Reed e Sue Richards, ou Sr. Fantástico e Mulher Invisível, eles agora são casados e tem dois filhos. E o autor apresenta-nos quatro epílogos de cada um.

Agora vamos à minha opinião. Eu torci o tempo todo pelo Capitão, acho que é porque sou meio rebelde. No fim, percebi que ninguém era o dono da verdade, os dois estavam certos, só com pontos de vista diferentes.

É a primeira vez que leio uma história de super-heróis, no geral, achei interessante. O problema é que eu não conhecia muitos desses personagens e foi difícil criar uma aparência em minha cabeça, mesmo com a descrição de todos, precisei de muita imaginação. As batalhas tem muita ação, se o leitor não prestar atenção aos detalhes, acaba perdendo-se na narrativa.

“No limite da fábrica, Demolidor e Viúva Negra corriam um atrás do outro pelas paredes quebradas, através de janelas estilhaçadas, aparecendo e sumindo na forte chuva. No topo de um recipiente químico, Demolidor parou e olhou para trás para Viúva Negra, a decepção estampada em seu rosto.

Sue teve a impressão de ver os lábis dele formando as palavras: Você não sabe o que é liberdade.”

Estou esperando ansiosamente pelo filme, depois que assistir, eu faço a comparação, mas já acho que a história não é a mesma, só o título.

Se alguém quiser me indicar outro livro desse gênero, coloca nos comentários, por favor!

Ah! Tenho obrigação de soltar outro spoiler #SPOILERALERT, se não quiser saber, pare de ler!…

O Homem-Aranha revela ao mundo sua identidade e, antes disso, quando ele conta para a tia May é muito engraçado.

Beijocas!

assinatura nova tábata

Resenha: Beijada por um anjo, Vol. 1- Elizabeth Chandler

BEIJADA_POR_UM_ANJO

Autor: Elizabeth Chandler Editora: Novo Conceito Páginas: 264                Ano: 2010

Classificação 2.5/5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

Beijada por um anjo é o primeiro volume da série, escrita por Elizabeth Chandler.
Ivy sempre acreditou em anjos… Quando ela conhece Tristan, descobre que ele é o amor da sua vida. Quando ele morre, seu coração está quebrado e sua crença em anjos desaparece. E sem essa crença, ela é incapaz de sentir a presença de Tristan, quando ele retorna – como um anjo.Agora, Ivy está correndo um terrível perigo, e Tristan está lutando para salvá-la. Como ele conseguirá protegê-la se ela perdeu a fé em anjos? E se ele conseguir salvá-la, ele terá terminado sua missão aqui na terra e terá que partir para sempre deixando-a para trás. Afinal, Salvar Ivy seria o mesmo que perdê-la justamente quando consegue reencontrá-la?

” – Você não precisa mais correr – disse Ivy. – Não estou mais com fome.

– Eu matei sua fome?

Ela balançou a cabeça negativamente. – Acho que me alimentei de felicidade – respondeu suavemente.

Sabe aquele livro que você não sabe se ama ou odeia? Então.

O livro merece pontos positivos porque a proposta da história é realmente boa: Ivy, uma garota super fofa que acredita em anjos que conhece Tristan, o amor da sua vida e boymagia. Logo no inicio do relacionamento eles sofrem um acidente de carro que causa a morte dele.

Mas a história não acaba aí! Ele se torna um anjo e volta para descobrir quem causou o acidente e proteger a garota. Só que agora Ivy não acredita mais em anjos e Tristan precisa se esforçar para que a fé de Ivy volte. Coloque aí uma pitada de jogo de poder, inveja, desejo e personagens sensitivos…Parece bom não é mesmo? Só que a escrita é muito açucarada, muito romantizada. E tudo acontece muito rápido sem se aprofundar nos personagens. 

” – Não existem anjos de verdade, Philip! Você não entende? Se existissem, eles teriam salvo Tristan!”

Pontos negativos: A diagramação do livro é péssima e prejudicou muito a história. Tem redundâncias, tem passagens de tempo que continuam na mesma linha do presente,  algumas falas não tem pontuação e você só descobre que é uma fala depois hahahah….Eu sou super de boa com erros  mas esse livro se esforçou demais para ser mal feito. Me surpreende que a editora Novo Conceito tenha aprovado essa impressão. se fosse a DarkSide isso nunca ia acontecer hahahahha

” – Nunca imaginei que o banco de trás de um carro pudesse ser romântico – disse Ivy, reclinando-se, sorrindo para Tristan. Em seguida, olhou para a bagunça que estava no chão do carro. – Talvez fosse melhor você tirar a sua gravata de dentro do copo do Burger King.”

Eu classifico esse livro como os filmes da sessão da tarde e da Disney Channel: é ruim mas é legal de assistir. Tanto que eu li até o terceiro livro. A saga completa é composta por seis livros, então quem gostar vai se deliciar.

beijada-por-um-anjo-page

Aguardo a opinião de vocês porque sei que esse livro é polêmico hahaha

Beijo, outro, tchau!

assinatura nova ana marys

Resenha: Amigas para sempre, Kristin Hannah

amigas para sempre

Autor: Kristin Hannah    Editora: Arqueiro   Páginas: 446                Ano: 2014

Classificação 4/5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

Tully Hart tinha 14 anos, era linda, alegre, popular e invejada por todos. O que ninguém poderia imaginar era o sofrimento que ela vivia dentro de casa: nunca conhecera o pai, e a mãe, viciada em drogas costumava desaparecer por longos períodos, deixando a menina aos cuidados da avó. Mas a vida de Tully se transformou quando ela se mudou para a alameda dos Vaga-lumes e conheceu a garota mais legal do mundo. Kate Mularkey era inteligente, compreensiva e tão amorosa que logo fez Tully sentir-se parte de sua família. Ao longo de mais de trinta anos de amizade, uma se tornou o porto seguro da outra. Tully ajudou Kate a descobrir a própria beleza e a encorajou a enfrentar seus medos. Kate, por sua vez, a ensinou a enxergar além das aparências e a fez entender que certos riscos não valem a pena. As duas juraram que seriam amigas para sempre. Essa promessa resistiu ao frenesi dos anos 1970, às reviravoltas políticas das décadas de 1980 e 1990 e às promessas do novo milênio. Até que algo acontece para abalar a confiança entre elas. Será possível perdoar uma traição de sua melhor amiga? Neste livro, Kristin Hannah nos conta uma linda história sobre duas pessoas que sabem tudo a respeito uma da outra – e que por isso mesmo podem tanto ferir quanto salvar.

“Pensamentos – até mesmo medos – são coisas feitas de ar e sem forma, até que os tornamos sólidos com a nossa voz. E depois que lhes damos esse peso, eles podem nos esmagar.”

Kathleen Mularkey é romântica e inteligente, tem olhos verdes, cabelos loiros e lisos. Talullah Hart é uma garota determinada e popular, tem cabelos castanho-avermelhados compridos e cacheados, pele clara, lábios carnudos, cílios longos e olhos castanhos.

Essa é a história de Kate e Tully. Iniciada quando Tully tem 10 anos e mora com a avó, pois a mãe Dorothy, ou Nuvem, como gostava de ser chamada, tinha problemas com drogas e vadiava por aí, aparecendo de anos em anos para ver a filha. Kate mora com os pais e o irmão mais novo, após suas duas melhores amigas se distanciarem dela, se vê sozinha, conversando apenas com seu cavalo e tendo os livros como seus melhores amigos.

Em 1974, ambas tem 14 anos, Nuvem resolveu levar Tully para morar com ela, e elas mudam-se para Seattle, em uma casa em frente à casa de Kate. À primeira vista Kate ficou encantada com a nova vizinha. Já Tully não estava tão empolgada, para ela aquela não passava de uma cidade cheia de caipiras. Ela também temia que as pessoas soubessem que sua mãe era uma drogada, assim, no dia em que Kate vem até sua casa, obrigada pela sua mãe a dar as boas vindas, Tully mente dizendo que Nuvem tem câncer.

Mesmo com vidas e personalidades tão diferentes, um incidente faz com que se aproximem, Tully confia um segredo a Kate e a partir daí elas viram TullyeKate, as meninas da Alameda dos Vaga-lumes. Com a mãe desnaturada que tinha, Tully foi tornando-se parte da família de Kate, elas eram inseparáveis. A Sra. Mularkey era o exemplo que Tully tinha, e fez nascer nela a vontade de correr atrás de seus sonhos e o desejo de ser uma jornalista famosa.

“- Ela detestava aquele olhar. Mas o que importa não são as outras pessoas, isso eu aprendi. Quem a sua mãe é e como decidiu viver não são um reflexo de quem você é. Você pode fazer as suas próprias escolhas. E não tem nada do que se envergonhar. Mas você vai ter de sonhar alto, Tully.”

Então Nuvem acabou envolvendo-se em uma encrenca com a polícia, e Kate tem que se mudar para a casa da avó. Mesmo distante, as amigas trocam cartas religiosamente, jurando serem amigas para sempre.

Quando está com 17 anos, a avó de Tully falece e ela vai morar com a família de Kate. Elas vão para a faculdade de Wasshington juntas, e Tully está determinada a ser uma jornalista de sucesso. Já Kate não sabe ao certo o que quer, mas, para não decepcionar a amiga e a mãe, permanece na faculdade. Elas terminam o curso e Tully arruma um emprego para as duas em uma produtora de jornalismo.

Johnny era o homem mais bonito que Kate vira na vida, tinha cabelos pretos compridos e espessos, com cachos suaves nas pontas, e era o chefe delas. Kate acaba apaixonando-se, mas ele só tem olhos para Tully.

Em 1985, Tully recebe uma proposta de emprego de uma produtora maior. E assim as amigas seguem por destinos diferentes, Tully cada dia torna-se mais reconhecida profissionalmente, dedicando-se exclusivamente à carreira e Kate resolve parar de trabalhar para ter uma família, se dedicar ao marido e aos filhos.

“Era ridículo, constrangedor e inevitável, porque não importava que a maternidade estivesse lhe dando uma surra e acabando com sua autoconfiança, a maternidade também a havia inundado de amor, de tal forma que de alguma maneira era apenas metade de si mesma sem a filha.”

Gente, juro que não contei nem 50% do que acontece. É uma história muito linda, que poderia muito bem ser real. São mulheres com histórias de vida diferentes, que mantém uma amizade de muitos anos. O livro é em terceira pessoa, e a autora conseguiu me passar a emoção das personagens. Eu me identifiquei várias vezes com a Kate.

A Parte Um “Os anos 1970” e a Parte Dois “Os anos 1980” parecem aquelas novelas/séries adolescentes, tipo Pretty Little Liars, apesar de ser clichê, foi uma leitura leve e divertida, com aventuras e romance. Uma coisa legal nessas partes é que temos a descrição das músicas que estão tocando e dos figurinos que as personagens estão usando, e é tudo característico da época.

Na Parte Três “Os anos 1990” e Parte Quatro “O novo milênio” elas já são adultas, tendo que lidar com cobranças e responsabilidades, nessa parte as personagens vivem se colocando uma no lugar da outra, se perguntando como seria se tivessem feito escolhas diferentes. Eu achei a história mais interessante a partir da segunda parte.

“- Sabe, Marah, a vida é cheia de…

Kate parou de falar no meio da frase e quase deu risada. Estava prestes a dar um sermão igual aos de sua mãe.

– O que?

– Concessões. Você pode pensar no que conseguiu ou focar no que não conseguiu. A escolha que você fizer vai acabar determinando o tipo de mulher que você vai se tornar.”

Eu tenho uma amiga assim do tempo de escola, mas com a correria do dia-a-dia fica difícil nos mantermos próximas, lembrei dela ao ler. Tá aí, é um ótimo presente para dar à um amigo. Eu indico a leitura! Beijocas!

assinatura nova tábata

Indicações de livros para pré adolescentes

Muitos leitores entram em contato pedindo indicações de livros para crianças e adolescentes e isso é muito lindo! Eu sempre ajudo e dou dicas por que é muito importante incentivar a leitura desde pequeno.

O mais incrivel é quando os pais que me pedem indicações não são leitores, mas querem que os filhos tomem o gosto pela leitura. E então surgiu a ideia de fazer postagens com indicações para as diferentes fases da vida. Já tivemos para crianças e agora o papo é com os pré adolescentes. Uma das fases mais encantadoras #sqn 😀 

Segundo o Wikipédia ” a pré-adolescência, em média, começa entre os 10 e os 13 anos e termina no aniversário de 15 anos, quando uma pessoa vira adolescente”

Alguns livros da lista podem ser lidos por crianças mais novas do que eu indiquei ou mais velhas, você como pai e mãe deve saber como anda o desenvolvimento do seu filho e os gostos dele. Os livros ” diário de um banana” e ” o diário da princesa” tem muitos leitores adultos, assim como tem leitores de 6 anos apaixonados pelos livros do minecraf.

Agora se você viu a lista e acha tudo muito infantil, deixa um comentário que nós vamos encontrar outras dicas para você!

A postagem para crianças vocês encontram > aqui <-  e -> aqui <- 

Vamos lá!

E ai, curtiram? Eu com meus 29 anos já li metade das indicações e quero ler a outra hahah

E não esqueçam de deixar nos comentários dicas de leitura!

Até a próxima.

Beijo, outro, tchau!

assinatura nova ana marys

C.L #31 – Livros de terror e suspense

E depois de pedir ajuda dos leitores de um grupo no facebook, eis que surge a lista de indicações!

Preparem-se!

Este slideshow necessita de JavaScript.

4 ⭐️O Massacre da serra elétrica, arquivos sangrentos – Em Arquivos Sangrentos, nós ficamos por dentro de como foi todo o processo de criação do filme e de tudo que ele significou para a história do terror. Eu conheci várias curiosidades e achei incrível. Por causa do baixo orçamento, eles não tinham como refrigerar o set e, no calor do Texas, toda aquela carne estava apodrecendo. A atriz Marilyn Burns foi uma das que mais sofreu, tendo até mesmo desmaiado no set após uma filmagem. Em uma das cenas finais, ela manca pois realmente havia se machucado. – Blog Entre Parágrafos

 4 ⭐️ Histórias extraordinárias -> Não há dúvidas que Edgar Allan Poe é, não apenas um mestre, mas um precursor em seu gênero. Pode-se dizer que foi com ele que nasceu a literatura policial e também dele se deriva muitas das imagens do terror fantasmagórico que ainda assombram imaginações de hoje. Histórias Extraordinárias reúne em seu bojo algumas de suas melhores composições e é uma excelente introdução ao mundo criado por Poe. Grande parte dos contos (acho que praticamente todos… exceto A Máscara da Morte Rubra) é narrado em primeira pessoa, causando de imediato uma identificação com o narrador – que, aliás, nunca tem nome. – Blog Coruja em Teto de Zinco Quente


5⭐️ O Chamado de Cthulhu -> Sem mais delongas, eu gostei muito do conto, é interessantíssimo e a forma como Lovecraft descreve a documentação encontrada sobre Cthulhu é extremamente convincente, mas creio que essa é uma característica do próprio autor pois o mesmo se dá em A Cor que Caiu do Céu. Obviamente, achei o Cthulhu um ser magistral e único. Recomendo  a leitura! – Blog Livros de Calla

4,5 ⭐️ Psicose – > O ritmo com que é narrada a história é eletrizante. Não dá para parar de ler. Com alguns capítulos que rondam parte da vida de Norman, e com alguns que contam sobre a busca pela Marie, o leitor é levado principalmente a adentrar nos pensamentos de nosso personagem que foi inspirado em um Serial Killer conhecido: Ed Gein. – Blog Bibliotecária Leitora

5 ⭐️ O fantasma de Canterville – > É óbvio que Oscar Wilde escreveu este conto para ser apreciado por crianças, mas isso não o desqualifica ao gosto dos adultos. Enquanto o lia, eu me perguntei diversas vezes se havia alguma mensagem que o autor tenha pretendido ilustrar em sua história… De modo que se torna coerente colocar em pauta a seguinte questão: do que se deve realmente ter medo? Daquilo que não pode nos tocar? Ou será que no mundo existem fantasmas mais assustadores do que aqueles que já estão mortos? – Blog Admirável Mundo Inventado

4 ⭐️ Fuga de Furnace -> O livro é narrado em primeira pessoa por Alex Swair, um garoto de 16 anos, que foi incriminado pela morte de seu melhor amigo, e sabe por quem? Por um dos guardas da Furnace. Assim como Alex, outros garotos também estavam sendo incriminados e enviados para Furnance, e o motivo ainda permanece desconhecido, ou pelo menos até o final do livro. No meio da noite os guardas sempre pegam alguns garotos da suas celas, e – as vezes – alguns dias depois eles retornam a noite, mas de um jeito diferente, parecendo um animal sem consciência, e só para matar o seu companheiro de cela, e depois ninguém mais os vê. – Blog Perdido em Livros

5⭐️ O cemitério -> Eu gostei muito do livro, muito mesmo. A história é excelente, a trama tem um ritmo acelerado desde o início, um acontecimento causa o outro e é impossível parar de ler. Meu lado emocional sofreu muito com esta leitura, confesso, afinal de contas eu amo crianças, e a forma com que o King descreve as duas presentes no livro é encantadora – Blog Livros de Calla

4 ⭐️ Caixa de pássaros – > A história inteira é repleta de momentos de tensão, na verdade em nenhum momento você tem uma pausa, um momento de paz, e foi isso que me deixou vidrada. Eu ficava tensa, com o corpo tremendo de ansiedade, sabe? Tanto que eu li em apenas três dias, dificilmente eu faço isso. Resenha completa -> aqui <- 

4 ⭐️ O Pacto -> Uma história envolvente com suspense, mistério, drama, romance, humor, com realismo e sobrenatural. Pois a partir do momento que ele recebe as pessoas sem filtro, ele nos faz refletir, e também nos faz duvidar se cada um não tem um “diabo” dentro de si. Pessoas que mente para prejudicar o outro por pura maldade. Pessoas que sentem inveja do outro a ponto de fazer mal, pessoas que querem se machucar, pessoas que traem. Pessoas com comportamento exemplar e pensamentos perversos. Joe nos apresenta o bem e o mal, e que eles podem andar juntos. E em algum momento um deles podem se destacar. E realmente, a frase que diz quem vê cara, não vê coração, se encaixa perfeitamente neste livro. A verdade é que não conhecemos ninguém. E algumas pessoas assustam mais que muitos demônios. – Blog Chalé Cult

5 ⭐️ Nosferatu -> É um livro que começa com ares de suspense psicológico, evolui para um terror que me fez dormir de luz acesa e caminha para uma thriller policial maravilhoso de roer as unhas. A narrativa é toda em terceira pessoa e não nega ação. Cada capítulo é uma aventura. Torturas, personagens paralelos, assombrações cotidianas e acessos de fúria e descontrole. O homem da Máscara de Gás, que é o nome do ajudante de Manx, rouba a cena em vários momentos. O cara é um lunático-solitário-estuprador-torturador que rima o tempo todo e tem a idade mental de um sofá. Victoria é uma boa protagonista louca. Vai fazer qualquer leitor tremer, seja de ódio, de excitação ou de pavor.- Blog Oh My Dog

3 ⭐️ O Demonologista – > Sim, eu senti medo! Sim, eu cogitei parar de ler! Sabe por que? Minha mãe sempre disse que não pode brincar com essas coisas demoníacas que elas ficam te rodando. E o livro possui partes bem fortes. Credo, me dá até arrepio na nuca falar disso. O livro é uma corrida contra o tempo para salvar a garota e o mundo. Coloque aí uma pitada de Supernatural e pronto, temos O Demonologista.- Resenha completa -> aqui <- 

separador-lápiz-3

Assustados? Ansiosos em ler essa seleção? Só tenho certeza que minha lista de desejos aumentou agora!

Tem mais indicações? Conta aqui!

Até a próxima.

Beijo, outro, tchau!

assinatura nova ana marys

 

Resenha: Pode beijar a noiva, Patricia Cabot

CAPA-Pode-Beijar-a-Noiva

Autor: Patricia Cabot     Editora: Essência         Páginas: 240               Ano:  2016

Classificação 2.5/5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

Quando tudo parece estar perdido para Emma Van Court, que acaba de se tornar viúva, a promessa de uma grande fortuna lhe cai dos céus. Mas há uma condição para abocanhar a herança: ela terá de se casar novamente. Como não se especificou o noivo, todos os homens da pequena Faires, na Escócia, resolvem participar dessa corrida do ouro e passam a disputar as atenções da jovem viúva.
Os competitivos pretendentes só não contavam com a presença de James Marbury, primo do falecido marido, Stuart, que chega ao vilarejo para ajudar Emma com os trâmites do inventário. No passado, os dois tiveram uma aproximação, e James ainda nutre fortes sentimentos pela, agora, viúva.
Conseguirá ele afastar a horda de interesseiros pretendentes e finalmente se juntar à sua amada?

“A morte de Stuart poderia tê-lo abrandado, assim como, de certa maneira, enrijecera Emma. Certamente isso lhe ensinara algumas verdades dolorosas sobre si mesma”. (p.56)

Esse é o meu primeiro livro de romance épico. Agradeço pela oportunidade a Ana (dona do Entre Livros e Trânsitos) e também a Editora Planeta pela parceria com esse blog. Vamos para a resenha!

O cenário é Londres em 1833. Emma Van Courte sempre se inferiorizou. Acreditava que sua baixa estatura, olhos azuis e cachos não lhe proporcionava muita beleza. Apesar disso, a garota se casou com Stuart, um cura, diferente de seu primo James. Este tinha outras ambições. Stuart não era tão espirituoso quanto James, tampouco ligava para as questões físicas. Todavia, a vida de casada durou muito pouco para Emma.

Os dois moravam em Faires, um vilarejo pobre e afastado, quando o cura falecera. Ao que tudo indica, por conta da epidemia de tifo. Embora o texto nos induz a acreditar nisso, está claro que há um mistério envolto em sua morte.

Agora, a garota vive sozinha em uma casa humilde em Faires. Com o emprego de professora, ela mal ganhava para se sustentar. E então descobre que é dona de uma gorda herança, mas só poderia receber se se casasse novamente. Nessa situação, Emma assiste a episódios constantes de homens a cortejando em busca de seu sim.

Não demora muito para James descobrir e também cortejá-la. Entretanto, o primo de seu falecido marido não buscava o dinheiro, visto que já era bastante rico. O homem sempre teve uma atração por ela. Emma, por sua vez, reprimia esses desejos, não os deixava florir, pois nunca acreditou que um homem como James, moreno, alto e viril, fosse se interessar por ela.

“Ele, assim como ela, teria ficado surpreso pelas sensações que o abraço provocava?”. (p.53)

James buscava conquistá-la, o que é, a julgar pelo contexto, aparentemente óbvio. A relutância vinha de Emma, por nunca ter aceito a ideia de que ela também era importante e que merecia algo bom. Sua resistência a ele chegava a ser cansativa, de tanta baboseira que ela expunha. Porém, como devemos tomar cuidado com o anacronismo, suas atitudes iam de encontro com a época.

“Emma, quando um homem que nunca teve nada negado em sua vida encara subitamente o fato que não pode ter o que mais deseja, dirá quase tudo para tentar convencer-se de que jamais desejou aquilo”. (p.233)

Pode Beijar a Noiva é um livro curtinho, que pode ser lido bem rapidamente. Se depois dessa resenha você sentiu vontade de ler, só falo uma coisa: cuidado para não estrangular Emma Van Court e não se apaixonar por James Marbury!

assinatura nova luiza

C. L #30 – Livros com personagens mulheres

Eu digo com propriedade, ser mulher é muito bom, mas é muito difícil. Ainda mais se você for uma mulher moderna, resoluta e independente, e, ao mesmo tempo, apresentar características como delicadeza, carinho e sensibilidade.

Merecemos ser lembradas, eternizadas de alguma forma, como em livros. Essa lista traz histórias de ficção e reais de mulheres que desde cedo tem que assumir responsabilidades, que lutam contra o preconceito por ser negra, por ser homossexual, por ser deficiente, por ser mulher.

Tentei diversificar a lista, uma é bruxa, duas tentam se reerguer após sofrer abuso, tem uma órfã, portadora de deficiência, algumas lutando por seus direitos, uma mãe que tenta criar seus filhos da melhor forma possível e a aventureira que tenta recomeçar após a morte de sua mãe. Mas todas tem algo em comum, são fortes, guerreiras e exemplos, e é extraordinário saber que existem mulheres assim bem próximo de nós.

 

As Brumas de Avalon – A Senhora da Magia – Marion Zimmer Bradly

as brumas de avalonClassificação: 5 ⭐️

“…O restante do livro é centrado na vida de Morgana, que após o casamento da mãe, é levada, ainda criança, por sua tia Viviane para viver em Avalon e aprender a ser uma sacerdotisa da Deusa. Após alguns anos em Avalon, Viviane também faz planos para a vida de Morgana e faz com que ela deite-se com seu meio-irmão Arthur, sem que ambos se reconheçam, e gere um filho dele, considerado puro de Avalon. Ao descobrir a traição de sua tia, Morgana, que tinha pura adoração por Viviane, se rebela contra ela e foge de Avalon. Adorei o livro! É muito interessante ver a influência das mulheres e a consequência de seus atos, o livro prendeu toda a minha atenção. O romance entre Igraine e Uther, na minha opinião, foi majestoso! Cheio de clichês, porém épico e vencedor! Soltei muitos suspiros!” Blog Nuvem Literária

 

A Cor Púrpura – Alice Walker

a cor purpuraClassificação: 4 ⭐️

“Celie é uma jovem de apenas 14 anos violentada pelo pai e entregue a um homem, com um passado sombrio, em casamento. Vivendo uma vida de humilhação, ela só pode conversar com Deus através de cartas, sendo que mais tarde, passa a escrevê-las para Nettie, sua irmã mais nova e a única pessoa no mundo que já a amou. É através dessa troca de cartas que vamos conhecendo mais do dia a dia dessas duas mulheres e de tantas outras que passam por suas vidas. A história ainda aborda de forma muito delicada relacionamentos homoafetivos o que me surpreendeu positivamente, se ainda hoje existem tantas barreiras para se falar sobre o assunto é preciso dar o devido crédito a quem, tanto tempo atrás, se predispôs a fazê-lo. A cada página eu ficava ainda mais maravilhada pela liberdade da autora de falar de forma tão simpática e, as vezes, até mesmo discreta sobre o assunto.” Blog Literatura Pessoal

 

A Escolhida – Lois Lowry

a-escolhida

Classificação: 5 ⭐️

“Órfã e portadora de uma deficiência, Kira precisa enfrentar um futuro assustadoramente incerto. Vivendo em uma civilização que descarta os mais fracos, ela sofre hostilidade dos vizinhos, que a acusam de ser inútil para a comunidade. Gostei muito da Kira, ela é forte, decidida e tem um bom coração. E pelo jeito vai colocar os pingos nos is. É uma leitura rápida e fácil. Gostei muito! A história se desenrola muito bem, mas o final… não sei. Não gostei. Ficou faltando um desfecho, por mais que eu saiba que o livro terá continuação, para mim ficou muito vago.” Resenha aqui do blog

 

A Resposta – Kathryn Stockett

a nrespostaClassificação: 5 ⭐️

“Skeeter (ou Eugene, seu nome de batismo), de longe a personagem mais instigante da trama, é uma moça branca que acabou de se formar em Jornalismo e volta a morar com os pais… Skeeter resolve escrever um livro sobre o lado das mulheres negras que trabalham para famílias brancas e para isso conta com a ajuda de Aibileen e Minny… O tema abordado em A Resposta não é nem um pouco fácil. É muito duro saber o quanto uma pessoa negra sofria naquela época e é mais triste ainda imaginar que não era só nos Estados Unidos. Apesar de ser um livro bem gordinho, a leitura é totalmente rápida e fluida e creio que grande parte disso se deve a linguagem simples, mas bem estruturada. A narrativa é tão incrível que não consegui parar de ler até ter terminado.” Blog Lost Girly Girl

 

Eu sou Malala – Malala Yousafzai

eu sou malalaClassificação: 5 ⭐️

“Eu Sou Malala retrata a história dessa jovem desde seu início, quando nasceu no Vale do Swat, em uma região tomada pela pobreza, como grande parte de seu país… Malala foi incentivada pelo pai a expressar sua opinião desde cedo, e foi isso que ela fez: através de palestras, discursos e ações de caridade, a menina sempre se posicionou contra as leis extremistas que proíbem a educação feminina, se tornando um ponto de referência, assim como seu pai, para aqueles que desejavam lutar pelos seus direitos. Mal consigo colocar em palavras o quanto a leitura de Eu Sou Malala me tocou, e, mais do que isso, me levou a refletir sobre o mundo no qual vivemos. Por fim, ainda é difícil para eu expressar o quanto esse livro me levou a refletir sobre como devemos lutar sobre nossos direitos e nossos sonhos. Sobre como devemos nos impor diante do que sabemos estar errado, levantar-se e ir à luta.” Blog Palácio de Livros

 

Grito de Guerra da Mãe Tigre – Amy Chua

o grito de uma mãe tigreClassificação: 3 ⭐️

“Grito de guerra da mãe-tigre é a história incontestavelmente honesta, muitas vezes engraçada e sempre instigante de uma mãe radical. Por se opor de maneira drástica à indulgência dos pais ocidentais, Amy Chua tomou a decisão de criar as filhas, Sophia e Lulu, à moda chinesa. As mães-tigres veem a infância como um período de treinamento. Bom, para mim o livro foi muito interessante pois pude ter uma outra perspectiva de como criar os filhos, e claro que não vou agir como uma mãe chinesa, mas tirei alguns pontos importantes como por exemplo para a cultura chinesa os filhos são mais fortes que pensamos, podendo aguentar mais pressão do que imaginamos, e que isso pode impulsioná-los a obter sucesso.” Blog Desejo ser Perfeita

 

Livre – Cheryl Strayed

livreClassificação: 5 ⭐️

“Depois de quatro anos da partida de sua mãe, Cheryl quer um recomeço. Ela resolve percorrer mais de 1.700 quilômetros da Pacific Crest Trail (PCT), uma trilha que se estende da fronteira dos Estados Unidos com o México até o Canadá e tem mais de 4.200 quilômetros de extensão. Sem nada a perder, ela gasta suas últimas economias com equipamentos e coisas necessárias para a longa caminhada. Eu posso dizer que Livre é uma das melhores biografias que eu já li. Cheryl não esconde do leitor nenhum fato, contando cada detalhe de tudo aquilo que viveu, todos os erros que cometeu e descreve minuciosamente seus sentimentos, dando ao leitor a impressão de estar dentro da história, vivenciando tudo aquilo.” Blog Acampamento da Leitura

 

O livro do destino – Parinoush Saniee

o-livro-do-destinoClassificação: 5 ⭐️

“O livro conta a história de Massoumeh. Adolescente na Teerã pré-revolucionária, ela é uma jovem determinada e sedenta por conhecimento… a família trata de casá-la rapidamente com um homem que ela nunca vira. No entanto, Massoumeh não teve a sorte, nem o azar de casar-se com um homem comum. Hamid, seu marido, é um dissidente marxista perseguido pelo regime opressor do Xá. A narrativa de Massoumeh é uma verdadeira aula – tanto de história quanto de cultura.  Massoumeh é uma forte representação do feminino na literatura. Ouso dizer que uma das representações mais marcantes para mim. O livro do destino é como sair da caverna de Platão! Sinto-me outra pessoa ao fim da leitura, o que o torna tão difícil de resenhá-lo, pois me modificou muito positivamente.” Blog Como Devorar Livros

 

Precious – A Força de uma Mulher – Sapphire

preciousClassificação: 3 ⭐️

“A adolescente do Harlem Clareece Precious Jones é obesa, analfabeta e está grávida pela segunda vez de seu pai. Vítima de constantes abusos físicos e psicológicos por parte da mãe… Seu encontro com uma professora batalhadora a apresentará a um mundo novo, onde poderá expressar seus sentimentos e recuperar sua voz e dignidade. É uma história de esperança, de alguém que apesar de tudo, não quer desistir, que acredita que um dia vai conseguir, que um dia as coisas serão melhores… Admiro a coragem de Sapphire ao escrever uma história dessas. Chocante, devastadora e de partir o coração em muitos pedaços.” Blog Literatura Pessoal

 

Tomates Verdes Fritos – Fannie Flag

TOMATES_VERDES_FRITOS_1405906785BClassificação: 4 ⭐️

“O livro, escrito por Fannie Flag, conta a história da cidadezinha da Parada do Apito, através de uma velhinha muito simpática e sábia e da senhora que a ouve, uma dona de casa em crise. As personagens principais da cidade e da história são um casal lésbico, que trabalham no principal lugar da cidade, um café que serve tomates verdes fritos. O enredo apesar de simples é cativante, mas também discute assuntos mais sérios com uma leveza que é o tipo de livro que você começa a ler e se envolve emocionalmente com as personagens, duvidando da existência não real, mas fictícia delas.” Blogueiras Feministas

separador-lápiz-3

Quem nunca se identificou com uma personagem?! Já leram algum desses livros? Se souber de mais algum pode acrescentar nos comentários. Espero que tenham gostado! Beijocas!

assinatura nova tábata

Resenha: A Herdeira, Kiera Cass

a herdeira

Autor: Kiera Cass      Editora: Seguinte           Páginas: 390   Ano: 2015

Classificação 3/5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

No quarto volume da série que já vendeu mais de 700 mil exemplares no Brasil, descubra o que vem depois do “felizes para sempre”.
Vinte anos atrás, America Singer participou da Seleção e conquistou o coração do príncipe Maxon. Agora chegou a vez da princesa Eadlyn, filha do casal. Prestes a conhecer os trinta e cinco pretendentes que irão disputar sua mão numa nova Seleção, ela não tem esperanças de viver um conto de fadas como o de seus pais… Mas assim que a competição começa, ela percebe que encontrar seu príncipe encantado talvez não seja tão impossível quanto parecia.

“Preferiria passar a vida com medo a admitir que estava assustada”.

Estamos vinte anos após a Seleção do príncipe Maxon. Já casado com America, eles têm quatro filhos, sendo Eadlyn a mais velha. Por isso, a garota está destinada a ser rainha e governar toda Iléia. Porém, a ideia não é tão simples quanto parece. Após seu pai Maxon se tornar rei, ele aboliu a lei de castas, e isso está gerando muitas complicações em seu povo. Descobrir o que fazer para reverter a situação é o objetivo principal do rei, mas como ele faria isso? Simples. Submeter Eadlyn sobre livre e espontânea pressão (mentira) a participar de uma nova Seleção! Como a garota é treinada desde sempre para cumprir seu papel de responsabilidades reais, ela concorda relutante.

Eadlyn é uma mulher muito forte. Tem juízo e sabe lidar com situações inesperadas. Mas isso pode acabar prejudicando à ela mesma e ao seu povo. A princesa pensa muito com a cabeça e pouquíssimas vezes deixa seu coração falar. Como já nasceu com tudo entregue de bandeja, sua personalidade se desenvolveu de uma maneira que fez com que muitos leitores se confundam, acabando por achá-la mimada. Essa suposição não é dispensável, afinal, tudo precisa ser do jeito que ela quer, senão não basta. É indispensável que todos a vejam como uma mulher poderosa.

A princesa Eadlyn tem plena convicção de que não precisa de um homem para governar uma nação, muito menos para dividir sua vida. É muito segura de si e não tolera que a desrespeitem.  Imagine ter que passar seu tempo com trinta e cinco homens, quantos encontros ela tem de comparecer, quantas conversas, privações, particularidades…

“O amor servia apenas para destruir nossas defesas, e eu não poderia me dar esse luxo”.

Enquanto eu lia, consegui compreender perfeitamente a garota. Muitas vezes ela me dava nos nervos por ela ter sido fresca em algumas cenas em particular. Eadlyn sempre destacava de alguma maneira o quão forte e compacta uma mulher poderia ser.

“Se a loira platinada matasse alguém, talvez eu tivesse achado um pouco mais de graça”.

Entretanto, ninguém é de ferro. A certeza que Eadlyn tinha sobre sua personalidade acaba se abalando por amor. Ela confirma que esse sentimento pode tornar as pessoas fracas, porém essa fraqueza é a de enxergar com outros olhos um mundo que não seja o dela. Isso era uma definição de fraqueza. A Seleção irá transformar muito mais do que apenas as complicações do fim das castas.

Espero que essa resenha tenha aguçado a curiosidade de vocês. Ressalvo que este é meu ponto de vista, assim, abro um caminho para que vocês sintam-se a vontade e comentem quando e o que quiserem, pois a opinião de todos é valida!

Obrigada pela leitura!

assinatura nova luiza

Resenha: O sol é para todos, Harper Lee

o sol é para todos

Autor: Harper Lee    Editora: José Olympio      Páginas: 364  Ano: 2015

Classificação 4/5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

Um livro emblemático sobre racismo e injustiça: a história de um advogado que defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca nos Estados Unidos dos anos 1930 e enfrenta represálias da comunidade racista. O livro é narrado pela sensível Scout, filha do advogado. Uma história atemporal sobre tolerância, perda da inocência e conceito de justiça. O sol é para todos, com seu texto “forte, melodramático, sutil, cômico” (The New Yorker) se tornou um clássico para todas as idades e gerações.

“Na casa morava um fantasma do mal. As pessoas garantiam que ele existia, mas Jem e eu nunca o vimos. Diziam que ele saía à noite, quando a lua estava alta, e espiava pelas janelas. Quando as azáleas nos jardins do condado congelavam em uma noite muito fria, era porque ele tinha soprado sobre elas. Ele era o culpado de todos os pequenos delitos furtivos em Maycomb.”

O ano é 1935, em Maycomb, no Alabama, vive Jean Louise, mais conhecida por Scout, uma garotinha de 6 anos. Aos 2 anos de idade ela perdeu a mãe, mora com seu pai Atticus, um advogado que dava atenção aos filhos, mas era distante quando se tratava de afeto, e com seu irmão de 10 anos Jem. Na ausência de Atticus, quem cuida das crianças e da casa é a cozinheira Calpúrnia.

A história é narrada por Scout e a primeira parte do livro mostra como é sua vida e seu primeiro ano na escola. Nas férias de verão Scout e Jem brincam o dia todo com Dill, um garoto da mesma idade de Jem, que nessa época vem visitar sua tia, vizinha deles, Srta. Rachel.

Também há na vizinhança uma casa muito sinistra, com um morador misterioso, Boo Radley. Scout, Jem e Dill nunca o viram na vida e isso atiça a curiosidade e a criatividade deles. Criam um plano para fazer com que ele saia, desafiam um ao outro a chegar perto da casa e encenam uma peça teatral sobre ele.

“- Scout, quando chegar o verão, você vai precisar ter calma diante de coisas piores… Sei que não é justo com você e com Jem, mas às vezes temos que encarar as coisas da melhor maneira possível e saber como nos comportar quando as coisas vão mal… bom, só posso dizer que, quando vocês crescerem, talvez se lembrem disso com alguma compaixão e percebam que não os decepcionei. O caso de Tom Robinson é algo que concerne ao âmago da consciência humana. Scout, eu não poderia ir à igreja e louvar a Deus se não tentasse ajudar esse homem.”

Quando Scout está com 8 anos, seu pai recebe uma intimação para defender Tom Robinson da acusação de estupro. Mais de setenta anos tinham se passado desde a abolição da escravatura nos EUA, mas a situação não havia mudado muito. Os negros sofriam muito como o preconceito, só conseguiam arrumar empregos com exigências de trabalho braçal, e as mulheres negras só trabalhavam em casas de família.

Foi com esse cenário que Atticus, contra o que todos da cidade acreditam, fica determinado a provar a inocência de um negro, Tom. Nesse momento, ele e seus filhos sofrem discriminação e ameaças de moradores brancos de Maycomb.

E é aí que o livro começa a ficar interessante, temos os dois lados da história. Uma garota branca moradora do lixão, Mayella Ewell, que afirma que sofreu abuso sexual. Um negro trabalhador com mulher e filhos, Tom Robinson, que se diz inocente.

“- Chorar por causa de que, sr. Raymond? – perguntou Dill, querendo se defender.

– Por causa do inferno pelo qual algumas pessoas fazem as outras passarem sem nem pensar. Por causa do inferno pelo qual os brancos fazem os negros passarem, sem nem sequer pararem pra pensar que eles também são gente.”

A cidade toda vai acompanhar o julgamento, inclusive as crianças. A destreza e inteligência de Atticus são admiráveis. Eu não conseguia largar o livro. O autor descreve todo o julgamento e eu me senti ali, na primeira fileira do público, sendo obrigada a tomar uma posição. Esse não é o final, e temos a descrição do impacto causado pelo veredicto.

No começo do livro, eu tive a impressão que fosse uma história de criança, mas a realidade retratada é coisa de gente grande. É incrível perceber como as coisas eram obsoletas naquela época. Scout quer brincar, correr e aventurar-se, quer usar calças, mas sua tia quer transformá-la numa dama, e as damas não fazem isso, uma dama não pode nem votar.

A divisão social dos moradores, onde um se sente superior ao outro. O preconceito contra os negros existe como uma coisa natural, fazendo com que quem os defenda ou os trate como iguais também seja discriminado. O que é triste é saber que, nos dias atuais, isso ainda é a realidade de muitas pessoas.

‘O sol é para todos’ é um livro de drama, que me mostrou mais uma vez que a inocência de uma criança deve ser preservada dentro de nós e vale muito a pena ler. Pra quem tiver curiosidade, tem um filme baseado no livro, que é bem antigo, de 1962. Beijocas!

assinatura nova tábata

Resenha: Desastre Iminente, Jamie McGuire

DESASTRE_IMINENTE_1374606915B

Autor: Jamie McGuire    Editora: Verus          Páginas: 405               Ano:  2013

Classificação 2/5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

Travis perdeu a mãe muito cedo, mas, antes de morrer, ela lhe ensinou duas regras de vida – ame muito, lute mais ainda. Tendo crescido em uma família de homens que gostam de jogos e lutas, Travis Maddox é um cara durão. Musculoso e tatuado, bad boy até o último fio de cabelo, ele leva uma mulher diferente para casa a cada noite. Até conhecer Abby Abernathy. Determinada a se manter longe de problemas, Abby resiste com todas as forças ao charme de Travis, sem saber que assim só o deixa mais determinado a conquistá-la. Será que o invencível Travis ‘Cachorro Louco’ Maddox vai ser derrotado por uma garota?

“Algumas alunas dignas do meu sofá cruzaram meu caminho, mas o rosto de Abby continuava aparecendo na minha mente, tantas vezes que começou a me irritar”.

Desastre Iminente nada mais é do que o livro Belo Desastre narrado pelo irresistível Travis Maddox. À primeira vista, pode parecer desanimador ler a mesma história outra vez, contudo posso afirmar com toda certeza de que este livro vai deixar você mais louco(a) que o primeiro. Continue lendo para você saber o por quê.

Quem leu Belo Desastre sabe de toda trama. Travis Maddox é daquele tipo que está sempre em busca de carne nova. Era assim com todas as garotas, até conhecer Abby. Uma garota aparentemente normal que desperta um sentimento forte no maior cafajeste de toda faculdade. Com essa fama, é tremendamente previsível a relutância da garota.

“Ela armava uma fachada para manter imbecis como eu longe, mas aquilo me deixou ainda mais determinado”.

Abby não se deixava levar por seus músculos, jogos de sedução, palavras macias ou sua fama de proporcionar a melhor noite de todas.

“Ela ficou indignada, o que só me deixou mais satisfeito. A maioria das garotas me dava tédio, mas ela me intrigava. Até mesmo me divertia. Eu não a intimidava, pelo menos não de maneira positiva. Minha presença por si só parecia fazer com que ela quisesse vomitar, e eu achava aquilo estranhamente cativante”.

Um grande obstáculo que encontrei aqui foi o temperamento de Travis. Desde Belo Desastre tinha uma visão de um homem impulsivo e sem amor próprio, mas depois desse livro, depois de entrar na cabeça do rapaz, entendi seus motivos para ter feito tantas coisas imaturas.

“Eu era um babaca infantil com o controle emocional de uma criancinha de três anos. Saí rapidamente da mesa e passei pela porta, parando apenas quando alcancei minha moto”.

Vale a pena entrar de novo nessa fantasia de Abby e Travis. Muitas curiosidades vistas em Belo Desastre foram esclarecidas em Desastre Iminente. E até conteúdo além da história original foi incluso no livro. Recomendo de olhos fechados à todos aqueles que já leram e os que não leram também haha Belo Desastre.

Beijos,

 

assinatura nova luiza

 

C.L #29 – O que são livros de distopia?

Um dos meu gêneros literários favoritos é a tal da distopia. Até um tempo atrás eu não conhecia esse termo e encaixava ele na ficção. Mas aí você diz ” Ana, é a mesma coisa!”. E ai eu digo ” não é não, amadinho”. 

E o post de hoje é sobre isso: o que são livros de distopia?

Para quem não conhece, aqui está a oportunidade de aprender. Para quem já conhece, aqui está a oportunidade de falar que eu escrevi besteira hahaha

Vamos lá!

distopia

Primeiro, vou colocar uma lista de livros que se encaixam no gênero, vocês vão entender logo de cara: 

SILO_1393363529P

partialsREINICIADOS_1362663881Ba-selecaodivergente


doadorA_RAINHA_VERMELHA_Revoluc_a_o dos bichos(2)

 

 

 

 

 

 

Delírio-Capa

CAPA-Sob-o-Céu-do-Nunca

DestinoFeios_Capa

 

 

 

 

 

Pode colocar na lista também, Jogos Vorazes, Legend, Startes e Mazze Runner. Ah os oitos primeiros livros indicados tem resenha no blog, é só clicar na capa!

Na distopia encontramos uma sociedade que vive oprimida, em total desigualdade, tem medo do governo, são exploradas e vivem em meio a ignorância e falta de informação. Ela pode se passar no futuro  ou no passado, mas grande parte das histórias se passa no futuro e/ou conta que no passado houve uma guerra ou um levante, alguma coisa do tipo e desde então o sistema mudou.

Nesse gênero dificilmente a personagem principal será fraca, é por isso que eu adoro esse gênero literário. A personagem sempre vai á luta para conquistar o que ela deseja, e muitas das vezes as consequências não são nada boas. As personagens de distopia possuem caráter forte, e uma personalidade definida – ou que vai se definindo cada vez mais através da narração. Normalmente são mulheres, uhul, e  estão na adolescência, entre 14 a 18 anos.

É possível ver que alguns desses acontecimentos são reais, que nós vivemos algumas das situações descritas, mas é retratado de forma exagerada nos livros.

Por exemplo, as manifestações em São Paulo. Na saga ” Reiniciados”, tudo começou com manifestações que saiam do controle e a cidade ficava destruída. Para acabar com isso o governo criou uma lei para reiniciar o cérebro de adolescentes que eram pegos causando a desordem. Ao invês de prender, eles apagavam a memória, davam uma segunda chance e o individuo era monitorado 24 horas por dia. E se escorregar nas leis, daí colega, adiós. Faca na caveira.

Outro exemplo é na saga ” Silo”. Os países não entravam em acordo e uma guerra estava prestes a começar. Um país cria uma arma biológica letal para destruir os Estados Unidos. O governo americano para não sair perdendo, constrói abrigos subterrâneos, seleciona pessoas para viverem nesses abrigos e destrói o mundo todo com uma arma biológica mais poderosa. Pronto. Agora quem quiser viver deverá seguir as regras do abrigo.

Até hoje fico pensando no que seria de mim se houvesse um governo opressor (ou até mesmo um ataque zumbi).

Resumindo, para identificar uma distopia basta verificar se:

  • Existe um governo opressor.
  • Existe um personagem principal adolescente de personalidade forte.
  • Existe diferenças sociais gritantes e
  • Violência generalizada.

É isso pessoal, espero que tenha ajudado!

Esqueci de citar algo? Comenta aqui!

Até a próxima.

Beijo, outro, tchau!

assinatura nova ana