Resenha: Anexos, Raibow Rowell

anexos

Autor: Rainbow Rowell – Editora: Novo Século Páginas: 368 – Ano: 2014

Classificação 4/5 ⭐️ 🚍

Compre aqui l Submarino lAmericanas

Sinopse:

Beth Fremont e Jennifer Scribner-Snyder sabem que alguém está monitorando seus e-mails de trabalho. (Todo mundo na redação sabe. É política da empresa.) Mas elas não conseguem levar isso tão a sério, e continuam trocando e-mails intermináveis e infinitamente hilariantes, discutindo cada aspecto de suas vidas.
Enquanto isso, Lincoln O’Neill não consegue acreditar que este é agora o seu trabalho ler os e-mails de outras pessoas. Quando ele se candidatou para ser agente de segurança da internet, se imaginou construindo firewalls e desmascarando hackers e não escrevendo um relatório toda vez que uma mensagem esportiva vinha acompanhada de uma piada suja. Quando Lincoln se depara com as mensagens de Beth e Jennifer, ele sabe que deveria denunciá-las. Mas ele não consegue deixar de se divertir e se cativar por suas histórias. No momento em que Lincoln percebe que está se apaixonando por Beth, é tarde demais para se apresentar. Afinal, o que ele diria…?

Antes da resenha quero agradecer a Luiza aqui do blog, que me presenteou com esse livro! Muito obrigada! Foi uns dos melhores presentes de aniversário!

” Eu não quero amar tanto alguém a ponto dessa pessoa ocupar toda a minha cabeça, todo meu espaço. Se eu soubesse que ia me sentir desse jeito a seu respeito, teria ido embora muito tempo atrás, enquanto ainda podia.”

Gente a resenha vai ser longa heim…porque eu gostei do livro e quero falar dele hahaha

Esse é o primeiro livro da Rainbow Rowell ( adoro esse nome), a mesma autora do livro Eleanor & Park. E para quem gostou de um vai gostar do outro com certeza. A escrita  permance a mesma: leve e divertida! Deus, como eu dou risada com essa mulher, seja minha amiga Rainbow!

Ao contrário de Eleanor e Park, nesse livro temos personagens adultos, beirando os trinta anos e a maior parte da história se passa no jornal onde eles trabalham. Beth e Jennifer são amigas e trabalham na redação do jornal, mas como ficam em áreas diferentes, boa parte da comunicação é feita por e-mails. Elas sabem que a empresa monitora os e-mails e que palavras chaves “ativam o sistema” de monitoramento, mas mesmo assim elas continuam tendo conversas super divertidas ou não, sobre relacionamentos e eles sempre caem na pasta para serem verificados.

” – Você não vai dizer a sua mãe que está grávida? Ela pode notar quando sua barriga começar a crescer.
– Ela vai me dizer que estou gorda.”

E quem verifica? Lincon, uma cara lindo e alto de vinte e oito anos. O trabalho dele consiste em verificar se estão passando informações da empresa para terceiros, alertar a supervisão sobre contéudos impróprios…essas coisas que a gente sabe que não pode fazer rs. Esse é o trabalho dele e mesmo assim ele se sente invadindo a intimidade das pessoas. Vai entender né.

Não gostei dele não.

Uma amiga disse que eu não gostei porque eu sou estúpida e grossa. Pode ser né. O Lincon tem quase trinta anos e mora com a mãe. Ele ainda sofre por um relacionamento da época da escola e não é nada sociável. Ele deve ter pontos positivos, mas como eu não gostei dele só vi os negativos mesmo hahahah.

” Se era assim que ele agia perto de uma garota pela qual não se sentia atraído, como agiria se algum dia precisassa consertar o computador da Beth? Podia até vomitar nela.

A Beth e a Jennifer são mulheres que gostaria de ter como amigas. Super engraçadas, com tiradas ótimas, gentem como a gentem. A Beth namora o  desde a faculdade e está a espera do pedido de casamento. O namorado dela é um ser que deveria ser estudado, nem dá pra explicar, é sério. A Jennifer é casada com o Sr. Perfeito. É sério, eu queria casar com ele também. Até a Beth fala que se a Jennifer morrer primeiro, ela vai se casar com ele. Eles estão passando por uma fase que ele quer ser pai mas ela não tem certeza se quer ser mãe e várias coisas acontecem.

” – Eu nunca sequer estive na Califórnia.
–  Está tudo bem, é um lugar seguro.
–  Eu não sei qual aparência tem o lugar. Não consigo visualizar você ai. Eu tento enviar energia positiva, mas não sei em que direção enviá-la”.

E todos esses acontecimentos da vida são discutidos por e-mail. E o Lincon lá lendo tudo, anexos desenhoacompanhando igual novela rs…Até que ele percebe que se apaixonou pela Beth mesmo nunca tendo visto ela. E bom…agora é com vocês. Qualquer coisa dita a partir daqui pode comprometer a história.

É um livro super fofo ( não tão fofo quanto Eleanor e Park rs), eu recomendo a leitura para quem curte romance e histórias leves. Ela fluiu tão bem comigo que terminei em quatro dias. 

E um agradecimento a mãe do Lincon que parece ser inspirada no filme ” Minha mãe é uma peça”, nesse trecho que selecionei, a Beth comentou com a Jennifer que o Lincon parecia o Tom Cruise.

” – Mãe, você acha o Tom Cruise atraente?
– Querido você acha o Tom Cruise atraente?
– Mãe! Não! Porque você está perguntando isso? Jesus.
– Porque você está perguntando isso?
– Eu perguntei se você achava o Tom Cruise atraente. Não perguntei se achava que eu era gay. Você acha que eu sou gay?
– Eu não disse isso. Eu só estava tentado ajudar.
– Ajudar em que?
– Em você me contar, caso fosse.
– Mãe você está falando sério?
– Ora Lincon, convenhamos que se você fosse, isso explicaria muita coisa.”

Tô aqui esperando os comentários de vocês!

Até a próxima.

Beijo, outro, tchau!

assinatura nova ana marys

Anúncios

Resenha: Guerra Civil, Stuart Moore

guerra civil

Autor: Stuart Moore  Editora: Novo Século   Páginas: 398                 Ano: 2014

Classificação 3/5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

A épica história que provoca a separação do Universo Marvel! Homem de Ferro e Capitão América: dois membros essenciais para os Vingadores, a maior equipe de super-heróis do mundo. Quando uma trágica batalha deixa um buraco na cidade de Stamford, matando centenas de pessoas, o governo americano exige que todos os super-heróis revelem sua identidade e registrem seus poderes. Para Tony Stark o Homem de Ferro é um passo lamentável, porém necessário, o que o leva a apoiar a lei. Para o Capitão América, é uma intolerável agressão à liberdade cívica. Assim começa a Guerra Civil

“Então, uma figura surgiu na porta, sua silhueta contornada pelo fogo enfurecido. Um homem alto e musculoso usando um uniforme vermelho, azul e branco rasgado. Capitão América, a lenda viva da Segunda Guerra Mundial, dava um passo cauteloso de cada vez, deixando o inferno para trás, carregando uma mulher inconsciente em seus braços fortes.”

Os Novos Guerreiros são jovens e inexperientes, mas querem ser valorizados. Por isso, resolvem que irão enfrentar uma gangue de vilões muito acima do nível de poder deles. O que acontece é que oitocentos e cinquenta e nove moradores de Stamford, Connecticut morrem nesse dia.

“E uma vez você me disse: quando o outro lado tem mais homens do que nós, mais armas do que nós, numa proporção de vinte para um, é hora de parar de lutar.

– É verdade, quando você está errado – Capitão o encarou. – Quando você está certo, finca o pé no chão e não tira o time de campo.”

Um programa de TV filmava todo o acontecimento e a população que assistia àquilo começou a sentir medo, pois não podiam mais confiar nos heróis. A qualquer momento uma pessoa, até então comum, podia vestir uma roupa colorida, e, sem nenhum tipo de treinamento, colocar em risco a vida de pessoas.

O bilionário Tony Stark, o Homem de Ferro, havia reunido os heróis que hoje formavam os Vingadores, tinha fé no poder da indústria e da tecnologia. Capitão América era guiado pelo coração e pelo instinto. Agora vou revelar um spoiler #SPOILERALERT que aparece logo no começo do livro. O que mantinha o eixo, o centro dos Vingadores era Thor, e agora o amigo e companheiro deles aparentemente morrera sozinho, em uma guerra disputada bem longe dali.

“Tony pegou o objeto. Homem-Aranha espreitou e viu o que era: uma moeda de prata de dólar comum.

– Eu… eu não estou entendendo – disse Tony.

O Demolidor virou-se um pouco para ele.

– Agora você tem trinta e uma moedas de prata, Judas.”

Tony vai para Washington falar com o Congresso sobre a situação dos super-humanos nos EUA. Nesse meio tempo, Peter Parker, o Homem-Aranha, torna-se o novo Vingador.

“- A culpa não é sua. Assim como não podemos culpar um policial por atirar em um criminoso que aponta uma arma para ele.

– Sra. Sharpe…

– Shh. Eu também queria lhe dar isso – ela procurou na bolsa. – Era o brinquedo preferido do meu filho Damien desde que ele tinha três anos.

Ele pegou o brinquedo e fitou-o através da chuva. O boneco do Homem de Ferro…”

A Lei de Registro de Super-Humanos (LRS) prevê que todos os meta-humanos teriam que se registrar e passar por um treinamento para ter permissão de usar seus dons para praticar atos de heroísmo. Ela também dá ao governo poderes extremamente amplos de repressão.

E a partir daí começa a Guerra Civil, escolha seu lado! Homem de Ferro lidera o grupo a favor da lei, e assume o comando de sua implementação, formado por Quarteto Fantástico, Homem-Aranha, Miss Marvel, Viúva Negra, Mulher-Hulk e com todo o apoio da SHIELD e seus agentes.

Capitão América sabe que a LRS acabará com as máscaras, com a identidade secreta, colocando em risco a família dos heróis, também teme o controle do governo e da SHIELD, e o pior é que quem não se registrar, será preso sem julgamento, mesmo ao fazer o bem. Ele lidera a Resistência, que é contra a LRS, formada por Patriota, Luke Cage, Wiccano, Falcão, Demolidor, Golias, Manto, Tigresa, Adaga, Gavião Arqueiro, Hulkling, Célere e  Estatura.

“Capitão balançou a cabeça. Esses dois só tinham um ao outro; Manto dependia da Adaga para sobreviver. Como alguém podia pedir para dois jovens como eles se registrarem, entregarem suas vidas ao governo?”

São duas batalhas entre os a favor da LRS e a Resistência. Lógico que não vou dizer quem vence, vou dar só alguns detalhes. Na primeira batalha um herói morre. A segunda batalha revela um traidor, envolve heróis dos X-Men e de Atlântida e tem um resultado que eu não esperava.

A história do livro gira em torno de cinco heróis principais: Homem de Ferro, Capitão América, Homem-Aranha e a família de Reed e Sue Richards, ou Sr. Fantástico e Mulher Invisível, eles agora são casados e tem dois filhos. E o autor apresenta-nos quatro epílogos de cada um.

Agora vamos à minha opinião. Eu torci o tempo todo pelo Capitão, acho que é porque sou meio rebelde. No fim, percebi que ninguém era o dono da verdade, os dois estavam certos, só com pontos de vista diferentes.

É a primeira vez que leio uma história de super-heróis, no geral, achei interessante. O problema é que eu não conhecia muitos desses personagens e foi difícil criar uma aparência em minha cabeça, mesmo com a descrição de todos, precisei de muita imaginação. As batalhas tem muita ação, se o leitor não prestar atenção aos detalhes, acaba perdendo-se na narrativa.

“No limite da fábrica, Demolidor e Viúva Negra corriam um atrás do outro pelas paredes quebradas, através de janelas estilhaçadas, aparecendo e sumindo na forte chuva. No topo de um recipiente químico, Demolidor parou e olhou para trás para Viúva Negra, a decepção estampada em seu rosto.

Sue teve a impressão de ver os lábis dele formando as palavras: Você não sabe o que é liberdade.”

Estou esperando ansiosamente pelo filme, depois que assistir, eu faço a comparação, mas já acho que a história não é a mesma, só o título.

Se alguém quiser me indicar outro livro desse gênero, coloca nos comentários, por favor!

Ah! Tenho obrigação de soltar outro spoiler #SPOILERALERT, se não quiser saber, pare de ler!…

O Homem-Aranha revela ao mundo sua identidade e, antes disso, quando ele conta para a tia May é muito engraçado.

Beijocas!

assinatura nova tábata

Resenha: Freud me tira Dessa!, Laura Conrado

freud me tira dessa

Autora: Laura Conrado        Editora: Novo Século Páginas: 212                    Ano:  2012

Classificação 3.5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

“Freud, me tira desta!” narra a história de Catarina, uma jovem que passa a morar sozinha em função do novo emprego. Dona de uma vida amorosa catastrófica e disposta a rever suas escolhas, Cat busca ajuda na psicoterapia. Como se não bastasse o dolorido processo de conhecer a si mesma e de adentrar na relação com seus familiares, Catarina se apaixona pelo terapeuta. No auge de sua angústia, a personagem recorre ao pai da Psicanálise para sair dessa. Por meio das confusões de Cat, é possível não simplesmente rir, mas também se identificar com a profunda trajetória de autoconhecimento e aceitação da própria história.

“O ódio espuma.

A preguiça se derrama.

A gula engorda.

A avareza acumula.

A luxúria se oferece.

O orgulho brilha.

Só a inveja se esconde.”

Zuenir Ventura

 

 ” Protagonizei um barraco digno de programas populares, em que mães abandonadas vão pedir prova de DNA na televisão. Eu não sabia brigar direito, mas tentava.”

Ri muito e me identifiquei em várias situações! Todo mundo tem uma amiga igual a Catarina ou é a própria Catarina rs.

Catarina tem 23 anos, recém formada, está morando sozinha pela primeira vez em BH. Tudo está indo bem, tem um apê bacana, um emprego ótimo, carro, curso de inglês, amigas…Mas a vida amorosa…ahhh a vida amorosa..tá uma b*sta!

Todos os caras com quem Cat se envolve a dispensa pra voltar com a ex ou porque arrumou uma namorada. Como ela mesmo diz: ” Eu sou uma agente catalisador de retomadas. Era como se ficar comigo fosse o necessário para o cara ver que amava mesmo a outra.”

A história da Catarina se encaixa na vida de muitas mulheres, ela se sente rejeitada pela mãe, acha que a irmã mais nova, Amanda, é a preferida, faz drama com tudo, tem a auto-estima bem abalada…assim, é tipo eu, você e geral  por aí né rs

A parte que ela sai no tapa com a irmã me fez rir muito! Explicando: A Amanda aproveitou que a Catarina não morava mais com a família e guardou suas coisas no guarda roupa da irmã. Catarina ficou louca! Achou um abuso! Já não bastava a Amanda estar namorando um rapaz que Catarina foi apaixonada na escola, agora vai roubar o guarda roupa dela também?! Ahhh não! hahahahahahah

Mas a irmã dela foi bem sacana mesmo fazendo outras coisas…coisas de irmã, até a minha já aprontou essa do guarda roupa comigo.

” Por que a minha irmã estava me contando isso na frente dele? Por que não falou comigo sozinha? Devia ser o medo de apanhar, lógico. E eu ia bater! “

Catarina foca só nas coisas ruins, ela não se sente realizada por ter conquistado tanta coisa na vida profissional, é como se sucesso para ela fosse ter um namorado. E ela tem consciência disso! Tanto que ela procura ajuda de um terapeuta para conseguir se aceitar. Pena que ela se apaixona pelo terapeuta. Gente, como mulher é complicada rs.

Confesso que quando isso aconteceu eu fiquei brava. Já não basta levar um monte de fora a pessoa vai lá e se mete nessa de paixão platônica!

 ” Luiz me deu muitos lenços para as lágrimas e para o nariz que parecia colocar para fora o catarro de uma vida inteira.”

 

” Era a primeira vez que dizia aquilo em voz alta. Por mais que me doesse falar, parecia que dividir me aliviava.”

O engraçado, mais uma vez, é que eu conheço muitas mulheres assim, que reclamam todos os dias por não terem um namorado. Que procuram namorado na balada, que engatam relacionamentos sabendo que não vai dar certo. Isso nem Freud resolve.

E um conselho pessoal: quando você para de procurar, aparece. (Aconteceu isso comigo rs)

Recomendo a leitura! É rápida, fácil e divertida. 

  “Mas estar com alguém é isso, Catarina. É deixar a outra pessoa te ver como você é. É estar exposto, correr o risco.”

 Ah e eu li esse livro pelo site Le Livros, aquele que eu comentei esses dias aqui!

E você já leu? Vai ler?

Me conta depois o que achou!

Beijo, outro, tchau!

assinatura ana

Resenha: Eleanor e Park, Rainbow Rowell

eleanor e park

Autora: Rainbow Rowell        Editora: Novo Século Páginas: 328                              Ano:2014

Classificação 5 ⭐️ 🚍

Á venda l Submarino l Americanas

Sinopse:

Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.

 “A gente acha que abraçar uma pessoa com força vai trazê-la mais para perto. Pensamos que, se a abraçarmos com muita força, vamos senti-la, incorporada em nós, quando estivermos longe. Toda vez que Eleanor ficava longe de Park, sentia sua perda.” Eleanor.

tumblr_n6e7hcCNeM1t9hr18o4_r2_250

A história começa dentro do ônibus escolar…ônibus, blog, ônibus, tendeu? tendeu? rs

 Esse livro veio e me deixou de um jeito que não consigo explicar em palavras. A dor que eu senti no fim do livro, foi pior do que a leitura de Como eu era antes de você.

Mas ele também me fez sorrir e  lembrar da época de escola, quando tinha minhas paixonites. Durante a leitura me peguei sorrindo várias vezes, me peguei fazendo “ownnn”, me peguei falando alto..peço desculpas as pessoas no ônibus que me viram fazer isso 😉

A história se passa em 1986 o melhor ano de todos rs, e tem muitas referências da época, como os cabelos, fita cassetes, bandas…durante a leitura eu parava para pesquisar de quem eles estavam falando rs..

O livro começa com Eleanor entrando no ônibus escolar para o primeiro dia de aula. A primeira reação de Park ao vê-la é pensar porque ela se veste daquele jeito, tão ridicula. Ele acaba deixando ela sentar do lado dele por pena e já começa a ficar preocupado com sua reputação. Park  não interage muito com o pessoal no ônibus, porque ele não gosta do assuntos que rolam lá (ele não faz o tipo popular, mas tem muitos amigos). Eleanor não tem amigos na escola nova e sofre bulling todos os dias.   

tumblr_mlkxtux73h1s9nwv7o2_250 Todo dia no ônibus, Park percebe que Eleanor muito discretamente lê o gibi com ele, então começa a virar as páginas mais devagar para que ela possa acompanhar a leitura. Nos dias seguintes ele entrega gibis para ela ler em casa. O mais engraçado é que eles não conversam e ficam assim por dias…

Um dia Park puxa assunto e eles trocam pouquíssimas palavras, eles são tímidos mas gostam da presença um do outro. Em uma dessas conversas, olha que fofura, Park fala de algumas bandas e Eleanor conta que nunca ouviu. No dia seguinte ele grava uma fita, mas ela não aceita porque não tem onde ouvir, ele por sua vez empresta seu walkman , ela não aceita porque vai gastar pilhas, então ele pega todas as pilhas dos carrinhos e controles remotos e entrega a ela.

Tudo acontece tão naturalmente que não sei onde foi que o romance começou. É uma história envolvente e linda, do começo ao fim!

Eleanor tem um humor sarcástico, isso eu gostei nela. É também muito resistente ao relacionamento deles, talvez porque a vida pessoal dela seja muito complicada. O padrasto a expulsou de casa e ela ficou um ano morando na casa de uns amigos da mãe. A mãe é uma coitada, o pai pouco se importa com os filhos e sequer paga a pensão. Ter 16 anos e passar por tudo isso não é fácil.

Agora o Park…ahh o Park, pela primeira vez eu me apaixonei por um personagem. Ele entra de cabeça nesse amor por Eleanor, faz muitas declarações, está sempre presente, se preocupa e atédownload  dá uma voadora em quem mexer com ela! É um príncipe né.

Park disse tantas coisas bonitas para Eleanor que eu imagino o esforço que ela fez para não se entregar 100%. Ela mostrou gostar dele em vários momentos dizendo coisas lindas, mas é nítido que Park a amava mais. O esforço dele para mantê-la por perto, as perguntas que ele fazia tentando conhecê-la melhor e ela só escorregando, com medo que ele desistisse dela, com medo dele achá-la estranha. Que bobona.

Nossa que difícil escrever sobre eles.

Difícil também é me conter e não falar nada que comprometa sua leitura.

E o final, bom, ele vai destruir seu coração, vai deixar ele em pedacinhos. E você vai terminar querendo mais.

E também vai terminar a leitura querendo esmurrar Eleanor e a escritora. Não se faz isso com os leitores, coisa feia.

” Teve vontade de dar filhos a ele, além dos próprios rins” Eleanor

Eu me dei conta que eles estavam mesmo apaixonados quando Park pegou na mão de Eleanor, essa parte foi a melhor sem sombra de dúvida. E ao lembrar meus olhos ficam cheios de lágrimas.

“Quando tocou a mão de Eleanor, ele a reconheceu. Ele soube.” Park
tumblr_n6e7hcCNeM1t9hr18o3_r1_250

 

” Segurar a mão de Eleanor era como segurar uma borboleta. Ou um coração a bater. Como segurar algo completo e completamente vivo.” Park

 

images

 

 E tenho duas notícias boas! Ouvi boatos  que terá continuação e a  que vai virar filme! Meu coração não vai aguentar.

 Vou chorar no começo já.

❤ ❤ ❤ ❤

E essas ilustrações deles? Não tô resistindo em não compartilhar.

 

 “Mesmo estilhaçada em milhões de pedaços, Eleanor ainda sentia o toque de Park em sua mão. Sentia o dedão dele explorando-lhe a palma.” Eleanor.

 

” Não gosto de você. Preciso de você” Park

 

” Ele estava com o rosto muito perto do dela. Dava para beija-lo, ou dar-lhe uma cabeçada antes mesmo que ele tivesse a chance de se afastar” Eleanor

 

” Sinto sua falta Eleanor. Quero ficar com você o tempo todo” Park

 

“Se ela tinha saudade? Queria perder-se dentro dele. Amarrar os braços dele em volta dela feito um torniquete” Eleanor.

eleanor_and_park_by_candy8496-d7cxzkl

  “Porque não importa pra mim, Park. Se você gostar de mim, eu juro por Deus, nada mais importa.” Eleanor
  “Eu te amo. E nem posso me imaginar não amando mais” Park

 

” Sempre que alguém na família dela brigava, a mãe começava a gritar: Na cabeça não, na cabeça não!” Eleanor

 

” Na próxima vez vou dizer somente: Eleanor, acompanha-me para dentro desse beco escuro, porque eu quero te dar um beijo” Park

 

 ” Eu…só não queria me despedir de você, Eleanor. Nunca mais” Park.

Ah tá parei ❤

E você já leu? Vai ler?

Beijo, outro, tchau!

assinatura nova ana

 

 

 

 

 

Update!

Meu Alzheimer atacou aqui rs

Ganhei esse livro da Natália, a parceira do blog. A dedicatória foi tão fofa e me fez rir vários momentos!

Natália, quando quiser me dar mais livros de presente, fica a vontade!rs

20140829_064001